domingo, 17 de julho de 2016

Após afastamento de Dilma, fundos avaliam investir US$ 50 bilhões na economia brasileira


Imagem: Gabriel de Paiva / Agência O Globo 
O mau humor em relação ao Brasil está sendo reavaliado e começam a surgir sinais de otimismo entre investidores dentro e fora do País. Fundos de investimentos já estudam, inclusive, a possibilidade de desembolsar por aqui, neste e no próximo ano, cerca de US$ 50 bilhões. O dinheiro seria canalizado não apenas para o mercado financeiro, mas também irrigaria investimentos de longo prazo em fusões e aquisições.

Economistas são unânimes em afirmar que ainda há muita incerteza, mas a mudança de rota na economia está reconstruindo a confiança. Pesa a favor, em particular, a equipe do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, mais voltada às reformas para frear a dívida pública.

Leia também: 

Vários indicadores demonstram que a visão em relação ao País começou a mudar para melhor. Os mais sensíveis a movimentos de curto prazo deram guinadas. Neste ano, o real já se valorizou em mais de 20% e a Bovespa acumula ganho de 28%. Se considerado o pior resultado do ano – 37.497 pontos, em 26 de janeiro – a alta do Ibovespa chega a 48%. “Estamos deixando para trás um momento de instabilidade política e econômica muito agudo”, diz Roberto Padovani, economista-chefe do Banco Votorantim.

O presidente Michel Temer tem sido cauteloso ao comentar cenários. Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, disse que ficou preocupado com os primeiros 20 dias de governo, mas que já percebe uma melhora e acredita numa mudança gradual nos próximos meses. “Eu até brinquei com o Meirelles: será possível esta coisa de 2% de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto)? Eu acho um pouco exagerado”, disse em relação à meta prevista pelo ministro para 2017.

Imagem: Reprodução / Estadão

O economista Affonso Celso Pastore concorda que o clima de fato mudou, mas recomenda cautela. “Há entusiasmo, mas ainda não temos euforia”, diz. A eleição do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) para a presidência da Câmara com apoio do governo melhora muito o cenário em direção a uma mudança mais sólida. “A eleição mostra que o Brasil agora tem uma chance concreta de aprovar as reformas e são elas que mudam definitivamente o cenário”, diz.

Pastore frisa que a virada de verdade só virá quando o governo aprovar medidas capazes de reduzir os gastos e, principalmente, frear o crescimento da dívida para, depois, colocá-la numa trajetória de queda. Hoje a dívida mantém uma perigosa tendência de alta. “A dívida é o indicador que mais preocupa os investidores”, diz.

A mudança na estrutura das contas públicas depende da aprovação da Proposta de Emenda Constitucional que limita o crescimento dos gastos à inflação do ano anterior, a chamada PEC do Teto, bem como de reformas, em particular da Previdência, item que responde sozinho por quase 40% dos gastos. Como se tratam de mudanças polêmicas, que dependem de debate e aprovação no Congresso, o próprio governo aguarda o resultado do processo de impeachment para encaminhá-las à votação.

Leia também: 
Jean Wyllys pode virar réu no Conselho de Ética

O mercado se mostra disposto a aguardar. “Ninguém esperava que, com Temer, o Brasil começaria a crescer 6% ou a dívida pública passaria a cair. É inocente pensar isso. Mas o novo governo indica uma mudança das políticas de 180 graus, o que tende a inverter a tendência dos principais fundamentos macroeconômicos”, diz Bruno Rovai, economista para o Brasil do banco britânico Barclays.

Virada. O mais animador é que há sinais de que o investimento de longo prazo para o setor produtivo deve seguir a mesma trajetória. Estudo intitulado International Business Report (IBR), da consultoria Grant Thornton, mostra que pela primeira vez desde janeiro de 2014 o empresário brasileiro voltou a apresentar otimismo para os próximos 12 meses. No ranking, obtido com exclusividade pelo Broadcast, notícias em tempo real do Grupo Estado, o Brasil avançou da 26º colocação para a 23°, de um total de 36 países. O indicador que mede a incerteza em relação a economia caiu de 70%, na última pesquisa há três meses, para 55% no último trimestre.

“Olhando para a América Latina, sobretudo Brasil, México e Argentina, há um viés mais otimista. O pessimismo que abateu essas economias está sendo revertido”, diz o sócio da Grant Thornton, Daniel Maranhão.

Outro indicador importante que mudou de comportamento foi o CDS (sigla para Credit Default Swap, instrumento que indica o risco de calote). Hoje é negociado abaixo de 290 pontos. No final de 2015, no auge da crise de desconfiança com o Brasil, bateu em 540 pontos. Entre os poucos países com papéis negociados acima de 500 pontos, estão Venezuela, Grécia e Ucrânia. Quanto mais pontos no CDS, maior é a percepção de risco em relação ao País.

Com a reversão dos indicadores, desponta a intenção concreta de colocar dinheiro no Brasil. Um levantamento do BTG Pactual mostra que os fundos globais institucionais (que investem em mercado de capitais) podem alocar de US$ 30 bilhões a US$ 35 bilhões no Brasil, retomando aos patamares de 2014, antes das eleições.

Os fundos de private equity, que compram fatias em empresas, têm R$ 39 bilhões voltados para o País nos próximos meses, segundo estudo da KPMG e da Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital.

O mundo também está ajudando o Brasil. O mercado externo vive um período de juros baixo, condição que deve ser reforçada pela saída do Reino Unido da União Europeia. O Bank of America Merrill Lynch calcula que há US$ 13 trilhões no mundo investidos em títulos de dívida com retorno negativo. “Acreditamos que esse ambiente de retorno baixo incentiva a busca por opções de alto retorno”, citam os analistas do Morgan Stanley, ao comentar as perspectivas dos ativos brasileiros.

Veja também: 




 


 

O Estado de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...