quinta-feira, 28 de julho de 2016

Galeria despeja fezes em frente a praça em que ficará a pira olímpica


Imagem: Domingos Peixoto / O Globo
Se os Jogos do Rio navegam nas águas da polêmica devido à poluição do mar e das lagoas da cidade, o que se vê nas obras da Esplanada da Candelária, onde ficará a pira olímpica, corrobora os motivos de tamanha repercussão dada ao fracasso ambiental carioca. A menos de 100 metros do lugar em que o símbolo do evento está sendo instalado, uma galeria de águas pluviais lança um líquido escuro e pedaços de fezes na Baía de Guanabara. Nesta quarta-feira, o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, conheceu a nova praça, parte da Orla Conde, junto com o prefeito Eduardo Paes e o presidente do Comitê Rio-2016, Carlos Arthur Nuzman. Na visita, os três chegaram a parar próximo do despejo. Se não olharam para baixo, não viram os dejetos. Mas possivelmente sentiram o cheiro que exala daquele trecho de baía.

A galeria desemboca na direção da Casa França-Brasil — vizinha da pira olímpica —, ao lado de um muro do Espaço Cultural da Marinha e em frente ao cais onde está atracada a Nau dos Descobrimentos, embarcação construída para as comemorações dos 500 anos do Brasil. E nem todo o investimento para revitalizar a beira-mar do Centro e da Zona Portuária foi capaz de impedir que a sujeira continuasse jorrando no local.

Leia também: 
Argentina também diz que Vila Olímpica está 'inabitável'
175 cidades confirmaram manifestações no dia 31/7; veja a lista

— Saem fezes dessa galeria todos os dias. Elas ficam boiando aí até a maré levar. Devem ser dos prédios do Centro — dizia um operário das obras da Candelária.

Apesar de manchar um novo cartão-postal do Rio, ainda nem inaugurado, nenhum órgão assumiu a responsabilidade pelo despejo. A Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio (Cdurp) disse que a galeria viria de trechos do Centro fora do perímetro das intervenções do Porto Maravilha. A Rio-Águas — responsável pelas águas pluviais da cidade — afirmou que, em caso de vazamento de esgoto na rede, a vistoria deveria ser feira pela Secretaria municipal de Conservação, e essa precisaria acionar a Cedae para providências. Já a Cedae respondeu que a galeria da Candelária não seria administrada pela companhia, mas informou que deslocaria funcionários para vistoriar áreas próximas, com objetivo de certificar se há alguma ligação clandestina ou vazamento de esgoto que pudesse impactar na rede.

BACH MINIMIZA PROBLEMAS NA VILA

A Esplanada da Candelária foi visitada pelo presidente do COI logo em seu primeiro dia na cidade para os Jogos. Mais cedo, ao desembarcar no Aeroporto Internacional Tom Jobim, Bach tinha comentado outra polêmica envolvendo a Olimpíada. Ele minimizou problemas enfrentados por algumas delegações na Vila dos Atletas. Questionado sobre a necessidade de reparos no complexo que abriga os competidores, ele afirmou ser normal que ajustes finais sejam feitos às vésperas do evento.

— Nos dias que antecedem os Jogos Olímpicos sempre tem alguma questão ou outra a ser solucionada. Mas os brasileiros vão resolver. Sempre tivemos total confiança nos brasileiros — afirmou ele.

Bach repetiu o discurso ao circular com Paes pelas obras da Candelária, que devem ser entregues no próximo dia 2 de agosto. O ex-campeão olímpico alemão disse confiar que os problemas ainda não sanados seriam resolvidos em um ou dois dias. O dirigente do COI afirmou ainda que, em suas primeiras horas no Rio, conversou com atletas e representantes das delegações sobre a Vila. Eles teriam mostrado como, num período de 24 horas, melhoraram as condições dos prédios na Barra da Tijuca.

— Estamos vendo a determinação dos brasileiros para encarar os desafios — afirmou Bach, dizendo não lembrar de uma Olimpíada em que tudo estivesse funcionado 100% nos primeiros dias dos Jogos. — Pelo que temos visto aqui em relação às mudanças e à velocidade delas, nós estamos confiantes — completou ele, dizendo que os atletas também demonstraram entusiasmo com a Rio-2016.

O presidente do COI lembrou os trabalhadores que realizam os reparos na Vila Olímpica. E elogiou as transformações ocorridas na cidade desde que o Rio foi eleito sede do evento.

— Vim aqui para manifestar respeito com os cariocas por tudo que eles adquiriram nos últimos sete anos. Eles realmente transformaram a cidade em apenas sete anos. O que em outras áreas do mundo levaria gerações, aqui se conseguiu em sete anos com os Jogos Olímpicos como catalizadores — disse. — Obrigado a todos cariocas e brasileiros, porque sabemos que isso não foi fácil, que este é um período difícil para o Brasil.

Leia também: 

Ele se manifestou também sobre a decisão do ex-presidente Lula e da presidente afastada Dilma Rousseff de não aparecerem na cerimônia de abertura dos Jogos:

— É uma decisão pessoal de Dilma e de Lula. O COI trabalhou de perto com os dois presidentes e vamos respeitar a decisão deles.

SEGREDOS SOBRE A PIRA OLÍMPICA

Pouco antes, ele entrou no canteiro de obras em que está sendo montada a pira olímpica. Mantida em segredo pelos organizadores, Bach, Paes e Nuzman evitaram dar detalhes sobre a peça. Bach disse apenas que ela surpreenderia. O presidente do Comitê Rio 2016 afirmou que é de praxe os organizadores não falarem sobre a cerimônia de abertura do evento. E, perguntado se haveria duas piras olímpicas, uma no Maracanã e outra na Candelária, e se o artista americano Anthony Howe seria o autor de ambas, Paes desconversou.

— Quem é Howe? — ironizou o prefeito — Não sei (detalhes sobre a pira). Não me contaram porque eu “vazo a informação”. Me disseram a localização da pira e eu acabei contando — concluiu.

Veja também: 









Rafael Galdo
O Globo
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...