sexta-feira, 22 de julho de 2016

João Santana e a mulher dizem que mentiram 'para proteger Dilma'


Imagem: Rodolfo Buhrer / Reuters
Em depoimento ao juiz Sérgio Moro, o publicitário João Santana e a mulher dele, Mônica Moura, admitiram, nesta quinta-feira, que receberam no caixa dois pagamentos da campanha de 2010 da presidente afastada, Dilma Rousseff, e que mentiram no primeiro depoimento à Polícia Federal, em março, para proteger a petista.


O casal afirmou que os depósitos no valor de US$ 4,5 milhões feitos pelo lobista Zwi Skornicki na conta deles na Suíça de fato serviram para quitar dívidas da campanha de 2010, que somavam R$ 10 milhões. Em março, quando foram presos, os dois haviam dito que o dinheiro era relativo à campanhas eleitorais que fizeram no exterior.

Leia também: 

— Eu achava que isso poderia prejudicar profundamente a presidente Dilma — afirmou Santana. — Eu que ajudei, de certa maneira, a eleição dela, não seria a pessoa que iria destruir a presidente. Nessa época, já se iniciava um processo de impeachment, mas ainda não havia nada aberto. Sabia que isso poderia gerar um grave problema.

Assim que foi preso, o casal prestou depoimento à PF por ter recebido valores da Odebrecht e do empresário Zwi Skornicki em conta não declarada no exterior. Para os investigadores, eram pagamentos da campanha eleitoral feita para o PT. Na época, os dois negaram.

“(Zwi Skornicki) foi indicado por uma mulher responsável pela área financeira da campanha presidencial de Angola”, disse Mônica na época, acrescentando que o valor da campanha angolana chegou a US$ 50 milhões.

Moro perguntou a Mônica por que ela não falou a verdade. A mulher de Santana também mencionou a preocupação em proteger Dilma:

— O país estava vivendo uma situação muito grave institucionalmente, todos sabem o que estava acontecendo em torno da presidente Dilma. Para ser sincera, eu não quis incriminá-la, eu achava que ia piorar a situação do país. Queria apenas poupar de piorar a situação.

Mônica disse a Moro que o PT ficou devendo ao casal RS$ 10 milhões referentes à campanha de 2010, que elegeu Dilma pela primeira vez. Contou que passou dois anos tentando receber o valor e cobrando o então tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, até ser orientada, em 2013, a procurar um empresário que iria colaborar com o partido e quitar o valor. O empresário era Zwi.

— Ele (Vaccari) me deu o contato e fui ao escritório dele (Zwi), que já sabia. Vaccari já tinha conversado com ele, acertei apenas a forma de pagamento — disse Mônica.

Santana disse a Moro que, se a dívida da campanha de 2010 não fosse paga, não aceitaria fazer a campanha de reeleição de Dilma em 2014.

— Isso é típico do nosso trabalho (o atraso). Na nossa área de marketing político, sofremos muito com os grandes atrasos. E o partido, para encontrar uma forma (de quitar) — afirmou.

O casal, contudo, negou ter conhecimento da origem do dinheiro depositado pelo lobista no exterior. Os dois disseram que não tinham ideia de que o dinheiro poderia vir de propinas em contratos da Petrobras. De acordo com a força tarefa da Lava-Jato, os recursos foram desviados do contrato fechado pelo estaleiro Keppel Fels para a construção da plataforma P-52, o que foi admitido pelo próprio Skornicki em delação.

CONVERSA “CURTA E GROSSA”

Zwi Skornicki, que também prestou depoimento a Moro nesta quinta-feira, confirmou que Mônica esteve em seu escritório indicada por Vaccari. Segundo ele, a conversa foi “curta e grossa” e com o objetivo de acertar como seria feito o pagamento:

— Ela me disse: ‘Eu vim aqui a mando do senhor Vaccari e gostaria de acertar com o senhor o pagamento’ — contou o empresário.

Leia também:

Zwi afirmou ter dito a Mônica que não poderia fazer o pagamento de uma só vez e, por isso, repassaria o valor em parcelas. O dinheiro, ainda no relato do empresário, saía de uma conta que ele mantinha com Vaccari para repassar propina de contratos fechados pela Keppel Fels com a Petrobras e com a Sete Brasil, responsável por plataformas para exploração do pré-sal. Ficou acertado, então, que seriam pagas dez parcelas de US$ 500 mil, das quais só nove foram quitadas.

— O processo da Lava-Jato já estava muito avançado e eu deixei de pagar a última parcela — contou o empresário.

Na conversa com Mônica, de acordo com o empresário, não foi discutida a origem do dinheiro nem o motivo do pagamento.

Além do caixa 2, o empresário confirmou que o dinheiro da propina do contrato da P-56 foi depositado para o PT também na forma de doações legais ao partido. As doações foram feitas pela empresa Technip, uma das integrantes do consórcio, junto com a Keppel. Também foram feitos, segundo ele, pagamentos no exterior ao empresário Cláudio Mente, investigado por sua ligação com Vaccari.

Em depoimento à CPI dos Fundos de Pensão, em novembro passado, Claudio Mente admitiu ter depositado R$ 400 mil em uma conta da mulher de Vaccari, mas disse a quantia era um empréstimo devido à amizade que mantinha com o ex-tesoureiro do PT. Zwi disse que parte da propina foi paga a uma empresa chamada Zama e a dois políticos, cujos nomes não foram revelados.

Na edição desta quinta-feira, o GLOBO revelou que João Santana e Mônica Moura assinaram termo de confidencialidade com a Procuradoria-Geral da República (PGR), primeiro passo do processo formal de colaboração premiada. O casal está preso desde junho passado.

Veja também: 

 




Renato Onofre, Cleide Carvalho e Sérgio Roxo
O Globo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...