quinta-feira, 7 de julho de 2016

Temer desiste de aumentar impostos para cobrir rombo fiscal


Imagem: Dida Sampaio / Estadão
O presidente em exercício, Michel Temer, determinou que a equipe econômica feche a meta fiscal de 2017 sem aumento de impostos. Segundo um interlocutor ligado ao presidente, a avaliação de Temer é que é necessário barrar novos tributos, pois além da dificuldade em aprová-los no Congresso a medida terá impacto negativo para a popularidade e a imagem pessoal do presidente em exercício. "Mesmo os impostos que não precisam do Congresso, ele não quer, sabe que são medidas que não são bem-vistas", disse.

Leia também: 

Até a noite de quarta-feira, 6, o governo e a equipe econômica estavam contando com o aumento da Cide (impostos sobre ocmbustíveis) e outros tributos que não dependem do Congresso para diminuir o rombo nas contas públicas. Recursos com concessões e privatizações também estavam na conta do governo. A avaliação de alguns aliados do presidente, contudo, é que qualquer medida que possa atingir a imagem do presidente antes da finalização do processo de impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff no Senado não deve ser tomada.

No início da semana, Temer afirmou em um evento em São Paulo que "a partir de um certo momento, tomaremos medidas impopulares" e que não teme fazer isso porque não tem pretensão eleitoral e se contenta em "colocar o País nos trilhos".

Temer está reunido neste momento com os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, do Planejamento, Dyogo Oliveira, e da Casa Civil, Eliseu Padilha, no Palácio do Planalto. No encontro, Temer tenta fechar o valor do déficit fiscal de 2017. A expectativa é que o anúncio oficial seja feito às 18 horas.

Segundo interlocutores do Planalto, além de números divergentes defendidos pela ala econômica e política, a dificuldade em fechar o número do déficit está justamente na questão de criação de impostos. Enquanto a equipe econômica afirma que é muito difícil ajustar as contas sem novas receitas de tributos, a ala política diz que qualquer aumento de imposto vai prejudicar a imagem do governo com a população. "O ministro Eliseu Padilha tem defendido publicamente que o governo não pode aumentar impostos sem fazer a lição de casa", afirma um interlocutor.

Veja também:

 





Carla Araújo
O Estado de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...