quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Dilma não foi julgada pela corrupção porque Eduardo Cunha não deixou


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Eduardo Cunha impediu os deputados e os senadores de julgarem Dilma por muitos crimes de corrupção. Isto ocorreu porque o ex-presidente da Câmara aceitou apenas parcialmente o pedido de Hélio Bicudo, Janaína Paschoal e Miguel Reale Jr.


É o que explica o site Implicante: 


É um dos pontos que Janaína Paschoal mais martela em seus discursos no impeachment de Dilma Rousseff, mas a imprensa faz ouvidos de mercador. Originalmente, o pedido assinado por ela citava três crimes de responsabilidade da presidente: as fraudes fiscais (conhecidas como “pedaladas fiscais”), a assinatura de decretos sem autorização do Congresso, e todo o esquema de corrupção desvendado pela operação Lava Jato, conhecido por Petrolão e que de fato foi o motor das manifestações de rua.
Leia também: 
Assista ao vivo à sessão final do impeachment de Dilma
Mitologia do 'golpe' é um excesso de desonestidade intelectual, diz Alexandre Schwartsman
Collor sente o gosto da vingança em discurso, diz que Dilma merece impeachment e que não se trata de golpe; veja vídeo
Mas o pedido de impeachment tinha que primeiro passar por Eduardo Cunha, então presidente da Câmara. E ele alegou que as provas levantadas no terceiro caso eram frágeis demais, por isso as barrou, deixando passar os outros dois crimes.
Coincidência ou não – e provavelmente não –, o terceiro caso o atingia, uma vez que a Lava Jato estava no seu pé investigando contas no exterior.
Ou seja… O impeachment de Dilma poderia ter sido muito mais fácil se não fosse Eduardo Cunha.
Os petistas deveriam agradecer a ele.


Veja também: 

 

 


Luciana Camargo
Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...