quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Patrícia Lélis vai à delegacia para novo depoimento e é indiciada por extorsão, afirma site


Imagem: Divulgação
O jornalista Tiago Chagas, do site Gospel Mais, informa que Patrícia Lélis, que acusa o deputado Marco Feliciano de tentativa de estupro e agressão, foi indiciada hoje ao prestar novo depoimento em São Paulo. A investigação contra Marco Feliciano corre em Brasília, mas há outra investigação em São Paulo, iniciada quando a moça afirmou ter sido sequestrada. Nessa investigação, Lélis passou de vítima a investigada quando surgiram indícios de que ela inventou a história. 


Leia abaixo o texto publicado pelo Gospel Mais: 

A estudante Patrícia Lélis, que veio a São Paulo para conceder entrevista à apresentadora Luciana Gimenez, da RedeTV!, compareceu na manhã desta quinta-feira, 18 de agosto, no 3º DP (Campos Elísios) para prestar um novo depoimento e terminou indiciada.
Leia também:
Juízes federais levam a Jucá 73 mil assinaturas contra Lei do Abuso

Além de Patrícia, o jornalista Emerson Biazon e o promotor de eventos Marcelo Machado, citado por ela em entrevistas, também compareceram e farão denúncias contra ela, de acordo com informações do jornalista Leandro Mazzini, da Coluna Esplanada, do portal Uol.
A jovem que acusou o pastor Marco Feliciano (PSC-SP) de agressão e tentativa de estupro é investigada pela Polícia Civil paulista por extorsão ao chefe de gabinete do deputado, Talma Bauer.
“Há risco de não sair de lá. O delegado Luís Hellmeister está disposto a pedir sua prisão temporária, se cair em contradição”, pontuou Mazzini. “Uma garota chamada Kelly ‘Bolsonaro’, ex-amiga, barrada ontem na Rede TV!, vai depor contra ela”, acrescentou o jornalista.
O Gospel+ apurou que a ex-amiga se chama Kelly Cristina e concederia entrevista a Luciana Gimenez no mesmo programa, contrapondo as afirmações de Patrícia, e apresentando materiais que contradizem as alegações da estudante de jornalismo.
No entanto, segundo Kelly “Bolsonaro”, Patrícia Lélis afirmou que desistiria de conceder a entrevista se ela também participasse do programa, e a direção do Superpop aceitou recuar, já que o interesse do público, a princípio, era ver os relatos da jovem brasiliense sobre a suposta agressão e tentativa de estupro de Feliciano.
Kelly revelou ao Gospel+ que também prestou depoimento a Hellmeister e expôs pontos contrários à narrativa de Patrícia Lélis, o que contribuiu para o indiciamento da estudante por falsa comunicação de crime e extorsão.
 Veja também: 






Luciana Camargo
Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...