segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Vila Olímpica da Rio-2016 registrou quatro furtos por dia nos alojamentos dos atletas


Imagem: Yasuyoshi Chiba / AFP
Em 18 dias, um total de 73 furtos foi registrado nos alojamentos de atletas na Vila Olímpica - o conjunto de prédios na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, que abriga os competidores de todas as delegações dos Jogos.

É uma média de quatro furtos por dia, de acordo com levantamento da Polícia do Rio baseado em registros de ocorrência da delegacia da região e em dados fornecidos pela administração da Vila.

Os dados obtidos pela Folha são correspondentes ao período entre 28 de julho (quatro dias após a abertura da Vila) e 14 de agosto.

Leia também: 

Houve inclusive o caso de duas medalhas furtadas no sábado (13) e recuperadas em seguida pela equipe de segurança da Vila. As duas peças foram encontradas com um funcionário que prestava serviços por uma empresa terceirizada.

Em nota, o comitê Rio-2016 informou que se tratavam de medalhas comemorativas distribuídas a todos os integrantes das delegações que participaram da Olimpíada.

Os organizadores contabilizaram sete casos de furtos registrados na polícia e outros 63 "incidentes" dentro da Vila Olímpica - que podem incluir furtos não comunicados à polícia e também os casos de objetos perdidos e posteriormente localizados.

Questionado pela Folha, o comitê não esclareceu quais seriam os números de furtos e de objetos perdidos entre os casos classificados como "incidentes".

De acordo com a Polícia do Rio, entre os objetos desaparecidos dentro dos quartos de atletas estão celulares, perfumes, uniformes, barbeadores elétricos, dinheiro em espécie e cartões de crédito.

Leia também: 
Teori envia outro inquérito à justiça de Brasília e Lula escapa de Moro mais uma vez
Na proposta de delação, Léo Pinheiro relata reforma na casa de Dias Toffoli

A segurança nas áreas comuns da Vila Olímpica está sob responsabilidade da Força Nacional. Já a área dos quartos é restrita aos hóspedes das delegações e profissionais contratados para prestar serviços de limpeza e arrumação, como no caso das camareiras, por exemplo.

Na sexta (12), cinco furtos foram registrados nos apartamentos da delegação da Nova Zelândia. O caso não foi registrado na 42ª DP (Recreio dos Bandeirantes), mas apenas à administração da Vila Olímpica.

Após o episódio, os neozelandeses - que perderam dinheiro, celulares e uniformes - informaram que assumiriam a limpeza de seus quartos.

No domingo (14), um espanhol, um esloveno e um representante da delegação do Canadá também relataram furtos aos gestores da Vila Olímpica.

A Folha apurou que a tensão associada aos furtos chegou a tal ponto que um atleta búlgaro chegou a expulsar camareiras de seu quarto. Ele teria usado inclusive um cabo de vassoura para assustar as funcionárias.

Na tentativa de conter os furtos, a segurança interna da Vila determinou que os prestadores de serviço guardassem suas bolsas em um local específico, antes de iniciar o trabalho.

Veja também: 






Marco Antônio Martins
Folha de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...