terça-feira, 13 de setembro de 2016

Nova operação da PF mira sobrinho do governador de MG, Fernando Pimentel


Imagem: Ed Ferreira / Folhapress
A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira mais uma fase da Operação Acrônimo. Estão sendo cumpridos seis mandados judiciais, sendo quatro de busca e apreensão e duas de conduções coercitivas em São Paulo, no Distrito Federal e no Paraná.

Um dos alvos da condução coercitiva é Felipe do Amaral, sobrinho do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior entre 2011 e 2014.


A Folha de S. Paulo apurou que ele é suspeito de ter recebido propina da montadora Caoa, em troca de intervenções feitas por Pimentel no Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior em favor da empresa.

Leia também: 

A investigação aponta que o dinheiro teria sido usado por Amaral para abrir uma hamburgueria do qual seu tio é sócio oculto.

A ação foi autorizada pelo ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Herman Benjamin, relator da Acrônimo no tribunal.

Em junho, a revista Época publicou a informação de que Felipe Amaral havia sido citado na delação de Benedito Oliveira, o Bené, apontado como operador de Pimentel e que firmou acordo de delação premiada.

Bené disse, segundo a revista, que Amaral recebeu o aporte financeiro para montar uma hamburgueria gourmet por solicitação de Pimentel. O dinheiro, segundo o delator, veio de uma propina de R$ 20 milhões paga pela Caoa, que teria negociado isenção fiscal com Pimentel na época em que ele foi ministro.

O empresário Sebastião Dutra, dono da gráfica Color Print, teria, segundo investigadores, emitido notas fiscais falsas para uma das empresa envolvida na construção do restaurante. A gráfica também foi uma das fornecedoras para a campanha de Pimentel ao governo de Minas em 2014.

ACRÔNIMO

A Operação Acrônimo foi deflagrada em 2015 e apura irregularidades no financiamento e na prestação de contas da campanha de Fernando Pimentel, que foi indiciado pela PF, ao governo de Minas Gerais sob suspeita de corrupção passiva, tráfico de influência, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Em outras frentes, investiga suspeitas de favorecimento a empresas com empréstimos do BNDES, subordinado ao Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, pasta que foi comandada pelo governador.

OUTRO LADO

O advogado de Pimentel, Eugênio Pacelli afirmou que seu cliente não tem qualquer ligação que ultrapasse o limite do parentesco ou o campo da licitude com o Felipe.

"O presidente do Senado (Renan Calheiros) disse recentemente que o Congresso estava se transformando num hospício, e o Brasil está se transformando num grande hospital, onde todo mundo quer fazer uma grande operação. Esse fato relacionado a Felipe é um verdadeiro café requentado porque já era de conhecimento da Polícia", afirmou Pacelli.

A Folha não conseguiu localizar a defesa de Felipe do Amaral.

Procurada pela reportagem, a Caoa informou por meio da assessoria de imprensa que aguarda um posicionamento do seu departamento Jurídico para se pronunciar sobre a operação deflagrada nesta manhã.

Veja também: 

 


 
 

Gabriel Mascarenhas e Bela Megale
Folha de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...