quarta-feira, 9 de novembro de 2016

'Foi cuspe trocado', diz testemunha de Jean Wyllys no Conselho de Ética


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O Conselho de Ética retomou nesta tarde a oitiva das testemunhas do episódio envolvendo a cusparada do deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) em Jair Bolsonaro (PSC-RJ) no dia 17 de abril, data da votação do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff na Câmara dos Deputados.



Em seu depoimento, o deputado Luiz Sérgio (PT-RJ) disse que ouviu Bolsonaro provocar Wyllys, chamando de "bichinha", "franguinha" e "queima-rosca". O petista disse que no dia da sessão o clima de disputa estava conflagrado e, assim como outros parlamentares, Wyllys teve de enfrentar um verdadeiro "corredor polonês" na hora de declarar seu voto.


Veja o momento da cusparada: 



Logo após a cusparada, Jean Wyllys defendeu seu direito de cuspir:


"Agora é a vez do bichinha", teria dito Bolsonaro, segundo Luiz Sérgio. O parlamentar viu o momento do cuspe em direção a Bolsonaro e disse que o deputado Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) também retribuiu o cuspe, respingando sobre seu cabelo. "Foi cuspe trocado", relatou.

Na época, o deputado Eduardo Bolsonaro também publicou um vídeo comentando a situação:


Luiz Sérgio disse que viu a tentativa de se criar um fato político envolvendo Wyllys e que se fosse ele naquela situação, não saberia dizer como reagiria à provocação. O petista afirmou que o episódio precisa servir de reflexão no Parlamento de como os deputados devem conviver com o diferente, como travestis e transexuais, que futuramente poderão ser eleitos. "É preciso debater procedimentos de como conviver com o diferente de forma responsável", pregou.

Leia também: 
Marcelo Rezende se irrita e faz desabafo revoltado: 'Será que só existe o Moro no Brasil?'; veja vídeo
Maior fornecedora da campanha de Haddad é propriedade de réu da Operação Lava Jato
Lava Jato convoca coletiva sobre projeto de lei que Câmara tentou aprovar na calada da noite
Joaquim Falcão critica foro privilegiado: 'Só 3% foram condenados'

Já os aliados de Bolsonaro têm sustentado no conselho de que ele não provocou Wyllys, apenas usou a expressão "Tchau, querida", termo usado para provocar os defensores da ex-presidente Dilma. "A fala era repetida aleatoriamente, não tinha intenção de atingir ninguém", disse o deputado Marcus Vicente (PP-ES).

Wyllys responde a processo por quebra de decoro parlamentar e pode ser suspenso por até seis meses pelo "ato atentatório". A análise da representação ainda está em fase preliminar e caberá ao colegiado decidir se dará prosseguimento ou se vai arquivar o processo. O processo contra Wyllys é fruto de seis representações levadas à Corregedoria da Casa, sendo duas delas do ator Alexandre Frota.

Veja também:





Luciana Camargo
Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...