quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Maior fornecedora da campanha de Haddad é propriedade de réu da Operação Lava Jato


Imagem: George Gianni / PSDB
A maior fornecedora de campanha do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), derrotado na reeleição, pertecence a um publicitário que é réu na Lava-Jato, denunciado por lavagem de dinheiro. Segundo dados do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), a F5BI Eireli prestou serviços no valor de R$ 3,5 milhões para a campanha do petista, o equivalente a 21,98% do total destinado a fornecedores. Fundada em 2013, a empresa é administrada desde abril passado pelo publicitário Giovani Favieri.

Favieri foi denunciado pela força-tarefa do Ministério Público Federal em outubro passado por ter recebido parte dos recursos do empréstimo tomado no Banco Schahin em nome do pecuarista José Carlos Bumlai, já condenado na Lava-Jato. O empréstimo era destinado ao PT e foi pago fraudulentamente depois que uma das empresas do Grupo Schahin fechou um contrato de operação de sondas para a Petrobras no valor de US$ 1,6 bilhão.

Leia também: 

Bumlai tomou emprestado R$ 12 milhões e transferiu ao Frigorífico Bertin no mesmo dia. Em seguida, R$ 3,9 milhões foram repassados a Favieri e seu sócio, Armando Peralta, em dois repasses: R$ 3,405 milhões para a conta da NDEC Núcleo de Desenvolvimento de Comunicação e R$ 500 mil para a OMNY Par Empreendimentos, Consultoria e Participações.

Os procuradores afirmaram na denúncia, aceita pelo juiz Sérgio Moro, que a operação tinha por objetivo ocultar e dissimular o pagamento de serviços prestados na campanha eleitoral de 2004 do candidato a prefeito de Campinas Hélio Santos, conhecido como Dr. Hélio, apoiado pelo PT no segundo turno na disputa. O pagamento teria sido ordenado pelo então tesoureiro do PT Delúbio Soares.

Favieri afirmou no processo que não tinha conhecimento da origem ilícita dos recursos, mas os procuradores dizem que as evidências mostram que ele e seu sócio "tinham pleno conhecimento da origem criminosa dos valores". Citam que Bumlai disse em depoimento ter sido procurado por Favieri, Peralta e Sandro Tordin, na época executivo do banco Schahin, para que fizesse o empréstimo para o PT em seu nome.

A campanha de Haddad recebeu R$ 7,626 milhões em doações e acumulou despesas de R$ 16,1 milhões. A diferença é de R$ 8,5 milhões. No mês passado, o prefeito Fernando Haddad fez um pedido de doação pelo Facebook.

Ao GLOBO, Favieri disse que apenas alugou equipamentos como câmeras, computadores e um estúdio para a campanha de Haddad. A informação, no entanto, difere da versão apresentada pela prefeitura. Segundo a assessoria de Haddad, Favieri produziu os programas de TV e as peças publicitárias do então candidato.

O publicitário disse que não havia nenhum impedimento para sua contratação pelo petista, já que ele foi contratado em agosto e sua denúncia na Lava-Jato aconteceu em 18 de outubro.

— O fato é de 2004. Alguém me pagou na época por um serviço que prestei para a campanha e anos depois o dinheiro foi tornado ilícito. O Ministério Público está enganado — disse Favieri.

A assessoria de Haddad informou por meio de nota que a F5BI é uma produtora “reconhecida” e “renomada” no mercado publicitário de São Paulo. “No momento da contratação da F5BI não havia nenhuma denuncia contra os sócios”, informou a assessoria do prefeito.

Veja também:













Cleide Carvalho e Gustavo Schmitt
O Globo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

UOL Cliques / Criteo

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...