sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Preso com drogas é o segundo vereador mais votado em Ubaitaba


Imagem: Divulgação / PM
O vereador recém-eleito Messias Aguiar (PMDB), preso com quase 300 kg de drogas, no município de Ubaitaba, no sul da Bahia, na segunda-feira (3), teve a campanha financiada pelo tráfico de drogas da região.  A informação foi divulgada nesta terça-feira (4) pela Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA).


O vereador tem 34 anos e foi o segundo mais votado na cidade, com 571 votos. Conforme a SSP, o suspeito foi ouvido pelo delegado Evy Paternostro, que comanda a 7ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Ilhéus), onde Messias está custodiado.

Leia também: 

Segundo o delegado, embora sem passagens pela polícia, o vereador já havia sido denunciado por participação no tráfico de drogas do município. “Há informações de que toda a campanha tenha sido financiada pelo tráfico local”, afirmou Paternostro.

O coordenador da 7ª Coorpin informou que a investigação continua para apurar detalhes da ligação do suspeito com o tráfico de drogas na região.

Ainda segundo a Secretaria da Segurança Pública, em depoimento, Messias, que constava no cadastro do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) como agricultor, negou ser dono da fazenda onde parte da droga foi encontrada e disse também não ser o proprietário dos entorpecentes. A SSP informou que um funcionário da propriedade rural disse que o local pertence ao vereador recém-eleito.

Leia também: 

Prisão

De acordo com a PM, a prisão do vereador Messias Aguar ocorreu após denúncia anônima, na tarde de segunda-feira, em uma fazenda localizada na zona rural de Ubaitaba. Com o suspeito, a polícia encontrou 270 kg de maconha, 2 kg de cocaína, uma balança de precisão e sacos plásticos para embalar a droga.

Conforme a PM, durante a abordagem policial, Messias Aguiar negou que a fazenda fosse dele, mas confessou a posse das drogas. O vereador foi levado para a Delegacia Regional de Ilhéus, a 65 km de Ubaitaba, onde está à disposição da Justiça.

Em entrevista ao G1, o juiz eleitoral Glaucio Klipel, explicou que a lei diz que se, no dia da posse, em 1º de janeiro de 2017, o candidato eleito estiver preso, quem assume é o suplente, até que o caso dele seja resolvido na Justiça. Segundo o magistrado, se o vereador for absolvido no julgamento, ele poderá assumir o cargo.

Veja também: 

 




G1
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...