segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

'Fomos privados do direito (dever) sagrado de proteger nossas famílias', diz Janaína Paschoal


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Comentando o estado de caos que se instalou no estado do Espírito Santo após paralisação dos policiais militares, a jurista Janaína Paschoal levantou, em seu Twitter, a questão do desarmamento. Ela afirmou que é necessário armar a população para que as pessoas tenham condições de defender suas famílias. 


Leia frases de Janaína Paschoal: 

O Espírito Santo está o caos. Polícia em greve, criminalidade desenfreada. O que faz a população? Se tranca em casa?
E se decidem invadir a casa? E se decidem estuprar as mulheres? Em dias comuns, ainda há a possibilidade de chamar a Polícia. E na greve?
O direito (dever) de defender as próprias famílias é sagrado. Fomos privados desse direito.
Leia também: 

Os homens não podem ter armas por perderem a cabeça facilmente? Vai ter morte em briga de trânsito? Vamos armar as mulheres!
As mulheres são disciplinadas. Em programas sociais, são elas que recebem o dinheiro da família.
Vamos armas as mulheres e marido folgado não vai bater na esposa/noiva/companheira/namorada.
Vamos armar as mulheres e cabra safado não vai querer fazer graça! O Brasil vai reduzir vertiginosamente os estupros.
Vamos armar e treinar as mulheres. Com certeza, elas não usarão as armas à toa. Vão usá-las, quando preciso para defender a família.
Quando foi feito o referendo do desarmamento, eu votei Não e fiz campanha para o Não.
O Não venceu. Pergunto: adiantou? A lei não proíbe completamente o porte, nem a licença. Mas os procedimentos administrativos sim.
Desde que a população foi desarmada, os índices criminais só cresceram.
Vocês não precisam acreditar em mim. Peguem as estatísticas das várias Secretarias de Segurança e dos Ministérios da Justiça e Saúde.
Leia também:
Aumentaram os estupros, os latrocínios, os roubos, os assaltos a domicílios. Surgiram os arrastões em prédios e restaurantes.
Os entusiastas do desarmamento se apegam a uma suposta diminuição nos homicídios. Ora, são mais de 60 mil por ano!
Um pouco antes da Copa do Mundo, uma jornalista me telefonou. Havia um boato de que a Polícia Militar faria greve no país todo.
A jornalista perguntou se a Força Nacional daria conta. Eu disse a ela que se a Polícia do país fizesse greve, era para ajoelhar e rezar.
A jornalista não entendeu. Aí, eu expliquei a ela que a Força Nacional não é uma Polícia a mais, uma Polícia autônoma.
A Força Nacional é composta por homens pertencentes às Polícias dos Estados. Quando há uma emergência, ocorre o deslocamento.
Se houver greve geral, quem vai nos defender? Em locais afastados, quem vai nos defender?
Não precisa mudar a lei, precisa mudar a prática. Hoje, nem nas hipóteses legais, portes e licenças são concedidos. 
 
O povo votou Não no referendo. E a vontade do povo não foi respeitada.
Sei das críticas que receberei, mas não tenho medo de cara feia.
Estou defendendo abertamente armar as mulheres brasileiras. Treiná-las, para que elas possam se defender e defender suas famílias.
Armando as mulheres, os engraçadinhos saberão que serão recebidos à bala!

Veja também: 

 


 

Luciana Camargo
Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...