quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

'Laranja' de gráfica informou ao TSE ter feito entregas de dinheiro a petistas


Imagem: Reprodução / BOL
Em depoimento prestado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o motorista Jonathan Gomes Bastos afirmou ter “efetivado entregas de volumes de dinheiro em espécie” a membros do Partido dos Trabalhadores (PT). A informação consta em despacho desta quarta-feira, 22, do ministro Herman Benjamin, relator do processo que apura se a chapa de Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (PMDB) cometeu abuso de poder político e econômico para se reeleger nas eleições de 2014.

“Segundo o depoimento, é possível que tais valores tenham relação com a campanha eleitoral de 2014, o que justifica, neste estrito limite, o aprofundamento da instrução probatória em relação a tal ponto”, escreveu Herman.

Leia também: 
Advogado cria app para coletar e conferir apoio a projetos de iniciativa popular

A entrega de dinheiro em espécie teria sido feita por determinação de Carlos Cortegoso, apontado como proprietário da Focal, uma das gráficas contratadas para prestar serviço à campanha de Dilma e Temer em 2014. O motorista Jonathan Gomes Bastos já havia esclarecido em um primeiro depoimento sua condição de “laranja” do grupo Focal.

“Ao contrário do alegado pelo patrono do representado Michel Temer, a mera possibilidade das supostas entregas terem ocorrido fora do período de campanha não é circunstância que, por si só, exclui a possibilidade de ilícito eleitoral”, ressaltou o ministro. 

O ministro ordenou que, em um prazo de 48 horas, as companhias áreas GOL e TAM informem o TSE sobre as datas, os horários e os trechos das viagens realizadas por Jonathan Gomes Bastos entre janeiro e dezembro de 2014, abrangendo tanto o período anterior quanto o posterior ao da campanha. Herman Benjamin também determinou que Carlos Cortegoso, apontado como proprietário da Focal, seja intimado a “juntar aos autos do processo as gravações em que sustenta ter sido coagido pelo sr. Jonathan”. 

“Novamente, referida juntada se justifica, para aferir a idoneidade da prova testemunhal produzida nestes autos, sendo que a valoração criminal dos fatos deve ser realizada na via própria”, observou Herman.

Veja também: 




Rafael Moraes Moura e Beatriz Bulla 
O Estado de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...