sexta-feira, 3 de março de 2017

Bruno diz que já recebeu propostas de 9 clubes de futebol, vai ao fórum, tira foto com fã e diz que irá morar no Rio


Imagem: Lincon Zarbietti / O Tempo
Em liberdade há seis dias, o ex-goleiro Bruno Fernandes, 32 anos, compareceu nesta quinta-feira ao fórum de Santa Luzia, na Grande Belo Horizonte, para informar que irá morar no Rio de Janeiro. Esta era a única exigência imposta pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello, que lhe concedeu habeas corpus no dia 24 de fevereiro. Condenado a 22 anos e três meses de prisão pelo assassinato da amante Eliza Samudio, Bruno ficou preso por seis anos e sete meses.


Leia também: 
Dilma perdeu a noção da realidade, diz colunista

Ao chegar ao tribunal, Bruno posou sorridente para fotos com uma admiradora e não respondeu às perguntas dos jornalistas, que o esperavam na porta do fórum. Ele vestia a camiseta regata de uma organizada do Atlético-MG, a Galoucura – ele jogou no clube mineiro entre 2002 e 2006. O advogado Luan Veloso Coutinho afirmou que ele está de partida para o Rio, onde a sua atual esposa, Ingrid Calheiros, tem residência. Era no Rio que ele atuava como jogador, pelo Flamengo, em 2010, quando foi preso pelo crime.

Solto há menos de uma semana, nove clubes de futebol já manifestaram interesse em contratar o ex-jogador, segundo o advogado. Coutinho disse que as primeiras propostas vieram do Brasiliense, do Distrito Federal, e do Betinense, de Minas. A defesa de Bruno agora se prepara para defendê-lo no processo de pensão alimentícia e de reconhecimento de paternidade de Bruninho, o filho de Eliza.

Ao deferir o habeas corpus, Marco Aurélio escreveu que “nada, absolutamente nada, justifica” a manutenção da prisão preventiva de Bruno, que havia sido decretada em 2010. O ministro cita o fato de ele ser réu primário e ter “bons antecedentes”. A decisão ainda precisa ser confirmada pelo plenário do STF. “O clamor social surge como elemento neutro, insuficiente a respaldar a preventiva”, escreveu Marco Aurélio. O pedido de habeas corpus de Bruno estava nas mãos do ministro Teori Zavascki, morto em um desastre aéreo em janeiro deste ano, e foi distribuído para Marco Aurélio após o incidente.

Veja também: 




Veja
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...