domingo, 12 de março de 2017

Caiado diz que Temer e Congresso não têm credibilidade para aprovar reforma da Previdência


Imagem: Agência Senado
Líder de um dos principais partidos aliados do presidente Michel Temer, o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) disse que falta credibilidade ao peemedebista e aos parlamentares para aprovar reformas, como a tributária, a trabalhista e a da Previdência. Durante evento em Brasília para funcionários de uma multinacional, Caiado voltou a defender a antecipação de novas eleições para que o eleitor tenha certeza de que o eleito “não vai usar seu mandato como balcão de negócios”.


Leia também: 

“Por isso, que vocês me ouvem defender antecipação das eleições. O povo é quem deve decidir quem tem credibilidade para fazer as grandes reformas. É preciso que cidadão tenha firmeza de que o político não vai usar seu mandato como balcão de negócios.  Mais vale a mão que dá o remédio do que o próprio remédio, já dizia o médico Miguel Couto”, afirmou o senador, que é médico.

Para Caiado, o país vive uma “crise de representatividade”, que compromete a capacidade do Estado de fazer reformas devido à falta de credibilidade dos políticos brasileiros. “Sairá nova listagem de envolvidos na Lava Jato. Isso vai atrasar as reformas, desestimular investimentos?”, questionou.

Mesmo sem citar o nome de Temer, Caiado sugeriu que o atual presidente abra mão de sua aposentadoria para convencer a população de que é preciso mexer nos benefícios previdenciários. O peemedebista se aposentou aos 55 anos como procurador do estado de São Paulo.

“Qual a condição de a sociedade se sentir representada, de fazermos a reforma trabalhista, tributária, previdenciária? Para fazer reforma previdenciária, é preciso ter independência intelectual e moral. Quando um presidente vai propor mudar a aposentadoria, ele precisa primeiro abrir mão da sua própria aposentadoria. Não estou fazendo crítica a ninguém específico, mas temos uma crise de representatividade das instituições. Como vamos estipular idade mínima de 65 anos para aposentadoria, se o cidadão arca com toda política de incentivos, como bolsa-família, bolsa-reclusão e outras bolsas?”, criticou Caiado.

Em entrevista à jornalista Miriam Leitão, da Globonews, em outubro do ano passado, Temer disse que a sua aposentadoria aos 55 anos era uma “revelação” da necessidade de se aprovar a reforma da Previdência. “Passados 20 anos e estamos aqui conversando e acho que ainda estou bem, né? Pelo menos consigo trabalhar. A minha aposentadoria é uma revelação. Naquele tempo não se pensava nisso”, afirmou o presidente, quando foi questionado como esperava convencer a população sobre a necessidade de mudança nas regras previdências. Segundo o presidente, a situação das contas era outra na época em que se aposentou. Evidentemente que há 20 anos atrás [sic] o deficit da Previdência não era do tamanho que é hoje”, acrescentou Temer.

Ontem o presidente reiterou, em jantar com líderes da base aliada e ministros, a necessidade de o Congresso mexer o mínimo possível na proposta de emenda constitucional enviada por ele. A idade mínima de 65 anos para a aposentadoria é ponto inegociável, segundo o governo. Alguns pontos causam polêmica mesmo entre os parlamentares governistas. O principal deles é a obrigatoriedade de o trabalhador ter de contribuir por 49 anos para ter direito à aposentadoria integral.

Veja também: 





Congresso em Foco
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...