sexta-feira, 3 de março de 2017

Moro extingue punibilidade de Marisa e marca depoimento de Lula em Curitiba


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Atendendo a pedido da defesa, o juiz federal Sergio Moro declarou, nesta sexta-feira (3), a "extinção da punibilidade" de Marisa Letícia Lula da Silva, mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, morta em fevereiro. Marisa Letícia era ré em dois processos da operação Lava Jato desde setembro passado.

No mesmo despacho, Moro marcou data para que Lula seja interrogado como acusado no dia 3 de maio, em Curitiba.

Segundo a Polícia Federal, Lula e Marisa foram "beneficiários de vantagens ilícitas" na reforma de um apartamento triplex no Guarujá, litoral paulista, pela empreiteira OAS, e na guarda de bens do em um guarda-volumes. O casal sempre negou as acusações.

Leia também: 
Dilma perdeu a noção da realidade, diz colunista
Justiça arquiva ação de Dilma contra ex-presidente da Andrade Gutierrez

Há alguns dias, o Ministério Público Federal havia se manifestado a favor do pedido feito pela defesa da ex-primeira-dama.

"A defesa de Marisa Letícia Lula da Silva comunicou o óbito da cliente (...), requerendo a absolvição sumária em decorrência da extinção da punibilidade. (...) Pela lei e pela praxe, cabe, diante do óbito, somente o reconhecimento da extinção da punibilidade, sem qualquer consideração quanto à culpa ou inocência do acusado falecido em relação à imputação", escreve Moro em decisão publicada no início da tarde.

"De todo modo, cumpre reconhecer que a presunção de inocência só é superada no caso de condenação criminal. Não havendo condenação criminal, é evidente que o acusado, qualquer que seja o motivo, deve ser tido como inocente. Assim, em vista do lamentável óbito, declaro a extinção da punibilidade de Marisa Letícia Lula da Silva", prossegue o juiz.

O pedido para a absolvição de Marisa fora protocolado em meados de fevereiro.

Interrogatório de Lula marcado

O depoimento de Lula será o último de uma série de interrogatórios de acusados no processo. Antes do ex-presidente, serão ouvidos José Adelmário Pinheiro Filho e Agenor Franklin Magalhães Medeiros (em 20 de abril), Fábio Hori Yonamine, Paulo Roberto Valente Gordilho e Roberto Moreira Ferreira (em 26 de abril) e Paulo Okamoto (em 28 de abril).

O primeiro "encontro" de Lula e Moro foi em 30 de novembro, quando o ex-presidente participou de audiência como testemunha de defesa de Eduardo Cunha. Foi por meio de videoconferência que o ex-presidente, que estava no prédio da Justiça Federal em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, respondeu aos questionamentos feitos a ele.

Veja também: 




Rafael Moro Martins
UOL
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...