quarta-feira, 26 de abril de 2017

Delator relata instrução de ‘Sapo Barbudo’ em pedido de propina em sondas do pré-sal


Imagem: Fernando Bizerra Jr. / EFE
Três delatores da Odebrecht afirmaram aos procuradores da Operação Lava Jato que o ex-ministro Antonio Palocci (Fazenda/Casa Civil-Governos Lula e Dilma) cobrou 1% de propina pelos contratos de seis sondas de perfuração marítima, para exploração das camadas do pré-sal, pela Petrobrás. Rogério Araújo, que era o contato da empresa no negócio, disse ter ouvido de um ex-executivo da estatal que o ‘Sapo Barbudo’, que seria uma referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, teria dado instruções sobre o acerto ao PT.


“O Pedro Barusco (ex-gerente da Petrobrás) voltou para mim e falou: ‘olha, esse 1% vocês vão ser procurados por um interlocutor do PT, porque…’, ele até usou um termo, ‘Sapo Barbudo’, o ex-presidente Lula, ‘deu uma instrução’, isso que ele me disse, ‘que o 1% vai ser todo pago para o PT, porque não querem empresas estrangeiras pagando esse dois terços para o PT, ele tem confiança na Odebrecht’”, relatou o delator Rogério Araújo.

A conversa teria ocorrido em 2012, logo depois da assinatura do contrato do consórcio formado pela Odebrecht, OAS e UTC, com a Sete Brasil, empresa criada pela Petrobrás, em parceria com bancos e recursos de três fundos de pensão federal (Petros, Previ e Funcef). Ao todo, eram 21 sondas que a Sete forneceria para a Petrobrás.

Pedro Barusco, que havia deixado a Gerência de Engenharia da Petrobrás (cota do PT, no esquema alvo da Lava Jato), era diretor da Sete Brasil, na época do pedido.

“A conversa foi no Rio. Normalmente eu almoçava com ele, só eu.” Segundo o delator, cada negócio de sonda é de US$ 800 milhões. As seis sondas de exploração do pré-sal do consórcio seriam construídas no Estaleiro Enseada Paraguaçu. A parceria comercial entre Odebrecht, OAS e UTC envolvia ainda um parceiro internacional, a multinacional Kawasaki – que detinha 25% do negócio.

Leia também: 

Araújo afirmou que, inicialmente, Pedro Barusco informou que deveria ter um pagamento de 1% dos contratos das seis sondas e que um terço do valor iria para a ‘Casa’, como eram chamados os agentes públicos da estatal, e dois terços para o PT. Segundo o delator, o ex-executivo da estatal voltou a procurá-lo e deu novas coordenadas.

“Os pagamentos ao PT se dariam pelas empresas brasileiras, particularmente a companhia (Odebrecht). Segundo Pedro Barusco, essa era uma decisão do PT, por orientação do ‘Barbudo’ (apelido dado por Pedro Barusco ao ex-presidente Lula) e os pagamentos aos funcionários da Petrobrás/Sete Brasil se dariam pelas empresas estrangeiras”, registra o anexo entregue pela Odebrecht para a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Confirma. Márcio Faria, que era o líder empresarial da área e superior a Rogério Araújo, confirmou que ouviu o pedido depois de assinarem contrato para fornecimento de 6 sondas para a Sete Brasil.

MARCIO SOBRE SETE BRASIL

“Nessa época, Pedro Barusco estava trabalhando na Sete Brasil, e procurou o nosso consórcio, através do Ricardo Pessoa, da UTC, solicitando vantagens indevidas. O percentual era 1%, sendo que 65% seria para o PT e 35% do que eles chamam de Casa (agentes públicos da estatal), essa seria a divisão da propina”, afirma Márcio Faria.

O delator contou a mesma versão sobre as novas instruções que teriam sido passadas por Barusco, mas não citou Lula ou o termo “Sapo Barbudo”. O ex-governador do Rio Leonel Brizola (morto em 2004) foi quem criou o apelido “Sapo Barbudo” para atacar Lula.

“Acontece que o mesmo Pedro Barusco voltou depois para o Rogério Araújo, e falou para ele esquecer o 65% e 35%. A parte do PT vira 100% e a parte da casa vira zero. Assim os estaleiros nacionais vão fazer o pagamento da propina ao PT e as estrangeiras vão acertar com a Casa, ou seja, vocês não devem nada à Casa.”

Emissário. Araújo, que tratava com o consórcio de construção das sondas, disse que comunicou “o Márcio”, seu superior, e que os representantes da OAS e da UTC também poderiam confirmar o pedido de Barusco.

O delator afirmo, no entanto, que não foi dito por Barusco, no início, quem era o emissário do PT. “Ficamos esperando para saber quem era o interlocutor do PT. Eu ainda perguntei a ele (Barusco): ‘é o Vaccari (ex-tesoureiro do partido, preso pela Lava Jato)?’”, contou o delator. Segundo ele, Barusco teria dito não saber quem seria o interlocutor.

Ponte de contato com o presidente do Grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, Márcio Faria contou à Lava Jato como soube que Palocci tinha cobrado an propina de 1%.

“Passou um tempo eu fui chamado pelo Marcelo Odebrecht, que era o diretor-presidente, dizendo que havia sido procurado pelo ex-ministro Antonio Palocci onde ele cobrou do Marcelo essa propina, 100% de 1% para o PT.”

Araújo contou a mesma história: “Um dia eu estava lá na empresa, o Márcio me procurou falou: ‘olha, o Marcelo Odebrecht me procurou porque o Palocci procurou ele cobrando propina da Sete Brasil’”.

Márcio afirmou o diretor-presidente do grupo teria dito a Palocci “que conhecia o assunto”. “Não sabia do assunto e não ia entrar em assuntos operacionais e não deu maiores informações para Palocci.”

O diretor-presidente do grupo teria chamado Márcio Faria, questionando o que estava acontecendo. “Eu falei para ele que tem um crédito do PT conosco, não com a Odebrecht, mas com o Consórcio de 1%, e não sei nem quando nem como vamos pagar.”

Odebrecht, Márcio Faria e Rogério Araújo afirmaram que os pagamentos não se efetivaram. “Passou um tempo e veio a Lava Jato e nós não pagamos o percentual que seria devido ao PT”, disse Marcio Faria. “Passado algum período achávamos que esse pessoal iria cobrar, mas não cobrou.”

Preso. Único alvo da Odebrecht ainda preso pela Lava Jato, Marcelo Odebrecht confirmou o pedido e disse que avisou Palocci que o valor cobrado era indevido, pois esse tipo de acerto já estaria incluso na ‘conta corrente’ que o grupo tinha acordado com o PT. A conta ‘Italiano’ – codinome do ex-ministro no setor de propinas da empresa, segundo a Polícia Federal – chegou a ter crédito de R$ 200 milhões.

Odebrecht disse que foi procurado por Márcio, que teria dito: “Marcelo fui procurado pelo Vaccari que está cobrando um percentual pela questão das conquistas das sondas”.

“Não tem nenhum cabimento, não teve nenhum favorecimento, não tem porque ter isso. Eu tinha conta corrente exatamente para impedir esse tipo de pedido caso a caso a fui falar com Palocci”, explicou Odebrecht, em sua delação.

“Eu fui para o Palocci e falei: ‘Vaccari está pedindo, avisa ele que não tem nada a ver conosco, Odebrecht não vai pagar nada disso’”.

As delações dos três nomes da Odebrecht resultaram em uma petição do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que vai ser encaminhada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, relator da Lava Jato, para o juiz federal Sérgio Moro, em Curitiba. Os negócios de sondas da Sete Brasil já são alvo de apurações da força-tarefa, no Paraná.

A defesa de Lula nega veementemente envolvimento do ex-presidente em esquemas de corrupção. Reiteradamente, o advogado Cristiano Zanin Martins tem denunciado constantes tentativas de ‘levantar suspeitas indevidas’ contra o petista.

Veja também: 







Ricardo Brandt, Julia Affonso e Fausto Macedo
O Estado de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...