sexta-feira, 28 de abril de 2017

Delegado pretende enquadrar militantes do MTST em crime de associação criminosa


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O advogado dos seis detidos na avenida José Pinheiro Borges, próxima à Radial Leste, em SP, na manhã desta sexta (28), diz que o delegado responsável pela ocorrência ameaçou denunciá-los por associação criminosa, crime de explosão e crime de incêndio.



As pessoas foram detidas durante uma das manifestações contra a reforma trabalhista e a reforma previdenciária.

Três dos manifestantes -Luciano Antônio Firmino, Ricardo Rodrigues dos Santos e Juracy Alves dos Santos- fazem parte do MTST (Movimento dos Trabalhadores sem Teto).

Leia também; 
Alckmin e Doria dizem que cobrarão multas dos sindicatos e vão descontar ponto de funcionários que faltaram

Segundo o advogado Felipe Vono, as pessoas ainda não foram ouvidas, mas o delegado do 65º DP, Marcos Luis Gomes, teria dito que vai enquadrá-los nos crimes com base nas informações passadas pela Polícia Militar.

"Associação criminosa é quando pessoas se juntam para cometer um crime. O delegado está criminalizando o movimento social quando ele equipara uma quadrilha a uma organização social", diz o advogado.

A Polícia Militar afirma que foram apreendidos um galão de combustível, tochas e pregos retorcidos com o grupo. Também diz que alguns integrantes do grupo atiraram rojões contra os policiais.

De acordo com o advogado Felipe Vono, nenhuma das pessoas portava material explosivo ou incendiário. "A coisas que a PM apresentou não estavam com o grupo. Não havia rojões. Eles estão dispostos a fazer exames para comprovar que não há pólvora na mão ou roupa deles", diz Vono.

A ouvidoria da polícia está acompanhando o caso na delegacia. O registro da ocorrência ainda está em andamento. 

Veja também: 






Mônica Bergamo
Folha de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...