terça-feira, 18 de abril de 2017

Haddad e Dilma também serão julgados por Moro, assim como Lula e seu filho


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
A Justiça do Paraná receberá pelo menos 38 pedidos de investigação com base nas delações da Odebrecht. Os 211 declínios de competência dos casos enviados pela Procuradoria-Geral da República a outras instâncias devem colocar pela primeira vez a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) sob a mira dos procuradores da força-tarefa de Curitiba e do juiz Sérgio Moro. Dilma será investigada por suposto favorecimento ao grupo Tractebel-Suez na licitação da Usina Hidrelétrica de Jirau que, em conjunto com a Usina Hidrelétrica Santo Antônio, fez parte do Projeto Madeira. As duas usinas foram construídas no Rio Madeira, em Rondônia. Lula, por sua vez, teve mais cinco solicitações de inquéritos encaminhadas a Moro, inclusive uma que responde junto com seu filho, Luis Cláudio.





Ex-prefeitos petistas e ex-ministros de Dilma, Fernando Haddad, de São Paulo, Luiz Marinho, de São Bernardo do Campo, e o ex-ministro Alexandre Padilha também tiveram pedidos de inquéritos endereçados a Curitiba. Os donos da Odebrecht, Emilio e Marcelo Odebrecht, relataram em delação terem negociado com Lula o pagamento de caixa 2 para a campanha de Haddad à prefeitura da capital paulista, em 2012.

O processo com o nome de Dilma se refere a um pagamento de R$ 630 mil da empreiteira para a contratação de uma empresa de marketing para assessorar o filho do petista num projeto que pretendia criar uma liga nacional de futebol americano. Em troca, Lula ajudaria Emílio Odebrecht na interlocução com a ex-presidente Dilma, a quem Emílio se referia como "pessimista em tudo".

Já os pagamentos via caixa 2 para a campanha de Haddad foram destinados ao marqueteiro João Santana. Este também será alvo de mais uma investigação no Paraná. O marqueteiro ainda responde a dois processos na Justiça de Curitiba. Ele já foi condenado por Moro junto com sua mulher Mônica Moura a oito anos de prisão por lavagem de dinheiro. O casal recebeu propina da Petrobras numa conta não declarada na Suíça. O dinheiro seria parte de pagamento de uma dívida de R$ 10 milhões da campanha presidencial de Dilma Rousseff, em 2010, não declarada à Justiça Eleitoral — o chamado "caixa 2". Contudo, devem ter as condenações abrandadas já que firmaram delação premiada, no início do mês.

Leia também: 


OUTROS CASOS NAS MÃOS DE MORO

Na última semana, a Justiça Federal de Curitiba abriu nova investigação contra o deputado cassado Eduardo Cunha, sob a acusação de que ele teria manobrado para tentar escapar do juiz Sérgio Moro. O magistrado foi quem condenou Cunha a 15 anos e quatro meses de prisão, no último dia 30.

Já a jornalista Cláudia Cruz, mulher do ex-deputado, também responde a processo por lavagem de dinheiro na capital paranaense. Ela fez gastos no exterior com cartões de crédito vinculados a contas abastecidas por propinas da Petrobras. Cláudia alega que desconhecia a origem dos recursos.

Curitiba também cuidará da investigação sobre a destruição de provas do Departamento de Operações Estruturadas da Odebrecht — o "Departamento de Propina", como era conhecido —, e dos repasses a políticos por meio do Grupo Petrópolis, fabricante da cerveja Itaipava.

Também ficam na capital paranaense as investigações dos pagamentos feitos pela Odebrecht a Antonio Palocci e Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Marcelo Odebrecht afirmou à Procuradoria Geral da República (PGR) que repassou R$ 14 milhões a Palocci e R$ 2,5 milhões a Skaf, a pedido de Benjamin Steinbruch, ex-presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).

Antes do levantamento do sigilo da lista do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, Moro cuidava de 51 processos e ainda tinha pelo menos 23 a julgar, tendo proferido 28 sentenças. Agora, a tendência é que o juiz volte as atenções aos casos dos petistas.

Nos casos remetidos por Fachin também são relatados pagamentos da empreiteira a petistas históricos e membros do núcleo duro do partido, como os ex-ministros Aloizio Mercadante e Alexandre Padilha; os ex-deputados federais envolvidos no mensalão José Genoino e João Paulo Cunha; e os ex-tesoureiros da legenda Paulo Ferreira e João Vaccari Neto.

Com exceção de Vaccari, as investigações dos petistas ficará a cargo da Justiça Federal de São Paulo, que receberá outros 27 pedidos de investigação. Além desses, há ainda 11 investigações remetidas ao TRF-3, Procuradoria Regional da República (PRR-3) e somente uma para o Tribunal de Justiça de São Paulo.

A lista dos casos inclui o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e as denúncias de pagamento de propina da Linha 2 do metrô ao senador José Serra e a conselheiros do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP).

Veja também: 

 



Gustavo Schmitt e Cleide Carvalho
O Globo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...