quarta-feira, 26 de abril de 2017

Unicamp suspende por dois semestres estudante que interrompeu aula de professor durante 'greve'


Imagem: Reprodução / G1
A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) suspendeu, por dois semestres, o aluno que interrompeu a aula de um professor do Instituto de Matemática, durante a greve dos estudantes e a ocupação da reitoria no dia 21 de junho de 2016. Na ocasião, o rapaz entrou na sala de aula e apagou os exercícios que o docente escrevia na lousa. A punição ainda cabe recurso e pode ser revertida para serviços comunitários dentro da instituição. A informação foi confirmada pela Unicamp nesta terça-feira (25).


Um vídeo que circulou na internet mostrou a ação do aluno, que, junto com outros dois jovens, tentou impedir o professor Sergei Popov de continuar a aula durante o período de paralisação dos estudantes na Unicamp. Além de interromper a atividade, eles também entraram na sala com instrumentos de percussão e fizeram uma batucada. Em agosto, a Justiça determinou a retirada das imagens de todas as redes sociais.

A Unicamp abriu uma sindicância para apurar a ação do estudante e, após a realização de audiências, a decisão foi pela suspensão do aluno por dois semestres. Antes de deixar o cargo para o sucessor Marcelo Knobel, o reitor José Tadeu Jorge acatou a sugestão da comissão e manteve a determinação. A punição foi publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo na última quarta-feira (19).

“Esta penalidade poderá ser suspensa se o aluno expressamente optar pela prestação de serviços comunitários na universidade, no Serviço de Apoio ao Estudante (SAE), durante 10 horas semanais, por período igual ao da suspensão. Se ao final do 2º semestre de 2017 a prestação de serviços comunitários tiver sido integramente realizada, a penalidade de suspensão será extinta”, diz o texto da instituição publicado no Diário Oficial.

Leia também: 
O que diz o aluno

O estudante de geografia Guilherme Montenegro, que também é coordenador do Diretório Central dos Estudantes (DCE), afirmou ao G1 que ainda não foi notificado oficialmente da decisão pela Unicamp e estuda, junto com a advogada do órgão, a melhor maneira de recorrer – se na reitoria da universidade ou judicialmente. Além disso, o aluno afirmou que foi pego de surpresa pela punição e não está frequentando as aulas.

“O fato de eu ainda não ter sido notificado só mostra o quanto esse processo é arbitrário desde o começo. Estão querendo individualizar um processo que aconteceu em grupo e essa comissão foi totalmente unilateral, com professores que já eram favoráveis à punição. É tudo muito arbitrário, até agora, como aconteceu tudo muito rápido, eles só tentaram me impedir de participar de uma assembleia estudantil”, afirmou Montenegro.

Leia também: 
O que diz o professor

O advogado do professor Sergei Popov, Affonso Pinheiro, entendeu a decisão da reitoria da Unicamp como “uma vergonha” porque queria a expulsão do estudante. De acordo com o defensor, ele vai pedir que a reitoria reconsidere a decisão e, caso não haja mudança, será protocolado um recurso judicial na Vara da Fazenda Pública de Campinas.

“Esse aluno precisa ser expulso da universidade para que não ocorram mais casos como esses. Sala de aula é lugar de aprendizado e não de fazer bagunça. Não podemos reconhecer greve de estudantes, principalmente em uma universidade pública. Vamos tentar que essa decisão seja reconsiderada”, disse o advogado ao G1.

Processo

No início de agosto, pela primeira vez na história da Unicamp, um processo movido por docente contra estudantes foi deferido pela Justiça cabendo ação indenizatória, caso não sejam cumpridas as exigências previstas em lei.

Leia também: 

O juiz Guilherme Fernandes Cruz Humberto, da 9ª Vara Civil de Campinas, determinou em liminar que as ofensas praticadas contra o professor do Instituto de Matemática, Serguei Popov, por um grupo de alunos, fossem retiradas de todas as mídias e redes sociais em um prazo de até 24 horas – cabendo multa de R$1 mil por ato praticado ou novo que for feito.

O advogado do docente fez três pedidos em tutela de urgência, como o livre acesso do professor à sala de aula e o livre exercício da profissão; a retirada das publicações em toda a internet que contenha comentário jocoso, pejorativo ou denegridor e que cesse o uso indevido da imagem do professor.

Também foi pedida uma medida protetiva para que os alunos envolvidos nas ofensas contra Popov mantenham distância mínima em um raio de 200m, e instauração de inquérito processual por danos morais.

Em função das provas apresentadas para o juiz, foi concedida liminar favorável ao professor e determinada expedição de ofícios ao MP para que acompanhe o caso de eventual omissão por parte da Unicamp na greve promovida pelos alunos.

Veja também: 






Marcello Carvalho
G1
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...