segunda-feira, 15 de maio de 2017

Blogs petistas dizem que delatora forjou provas mas esquecem de olhar a data do registro


Imagem: Reprodução
Depois que vieram a público por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), as delações dos marqueteiros João Santana e Mônica Moura trouxeram dores de cabeça ao primeiríssimo escalão dos governos do Partido dos Trabalhadores, incluindo os ex-presidentes Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva e os ex-ministros Antonio Palocci e Guido Mantega.




Além de desmentidos da maioria dos citados, negando os relatos dos outrora magos das campanhas petistas, os depoimentos de Santana e Mônica também inspiraram notícias falsas.

Circula por redes sociais e sites simpáticos ao PT a lorota de que Mônica Moura forjou os rascunhos de e-mails que anexou à delação como provas. Os documentos comprovam que a marqueteira e Dilma de fato compartilhavam uma conta do Gmail, a 2606iolanda@gmail.com, e por ela se comunicavam sobre o andamento da Operação Lava Jato.

Leia também: 

Segundo a delatora, para evitar rastreamento, os e-mails não eram enviados, mas salvos na página de rascunhos. Assim, bastava acessá-los para ler as mensagens, que depois eram apagadas. Em um dos e-mails apresentados como prova, Dilma dá um aviso cifrado a Mônica e Santana de que a prisão deles se aproximava: “o seu grande amigo está muito doente. Os médicos consideram que o risco é máximo, 10. O pior é que a esposa, que sempre tratou dele, agora está com câncer e com o mesmo risco. Os médicos acompanham os dois, dia e noite”.

O texto que acusa Mônica de fraudar as provas diz o seguinte:

Google desmente Mônica Moura, e-mail foi criado em 22 de fevereiro deste ano; prova é forjada
A prisão de Mônica Moura ocorreu no dia 23 de fevereiro de 2016. Porém a imagem mostra que o rascunho foi elaborado no dia 22 de fevereiro desse ano. O Gmail mostra isso no rascunho. Esse serviço de e-mail não indica o ano quando se trata de mensagens e rascunhos recentes.
A imagem poderia, sim, ter sido colhida no ano passado, mas a foto de Mônica foi recortada para esconder a data do computador onde a imagem foi criada: a barra de tarefas do sistema operacional, que é, sem dúvidas, o Windows – devido ao navegador utilizado, Internet Explorer.
Portanto é evidente que Mônica Moura forjou essa prova no intuito de ser beneficiada pelo acordo de delação, pois basta citar de alguma forma o nome de Dilma Rousseff. Claro que basta, também, citar o nome de Lula, mas quem se encarregou disso foi o marido da empresária, João Santana.
O tom conspiratório e o apego do autor do texto a detalhes não resistem a uma passada de olhos pelo registro em cartório dos print screens apresentados por Mônica Moura ao MPF. Veja abaixo o cabeçalho da ata notarial registrada no 1º Tabelionato Giovannetti, em Curitiba, com trechos grifados em amarelo por este blog (clique aqui e veja o documento na íntegra):



Como mostra o documento oficial, o próprio escrevente do cartório, Felipe Pedrotti Cadori, acessou a conta de e-mail, abriu a página de rascunhos e registrou as imagens às 15h14 do dia 13 de julho de 2016 – não há, deste modo, como o rascunho ter sido salvo no dia 22 de fevereiro de 2017.

O dia 22 de fevereiro de 2016, quando a mensagem foi de fato criada, coincide com a deflagração da Operação Acarajé, que decretou a prisão de João Santana e Mônica Moura. “Vamos visitar nosso amigo querido amanhã. Espero não ter nenhum espetáculo nos esperando. Acho que pode nos ajudar nisso né?”, perguntou Mônica a Dilma no rascunho elaborado naquele dia.

É absolutamente falsa, portanto, a informação de que a marqueteira forjou provas para incriminar Dilma Rousseff.

Veja também: 





João Pedroso de Campos
Veja
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...