segunda-feira, 1 de maio de 2017

Deputados estendem benefício e incluem dependentes de até 33 anos no plano de saúde da Câmara


Imagem: Marcelo Camargo / Agência Brasil
No dia 1.º de dezembro de 2016, quando o Brasil avaliava a polêmica votação das 10 Medidas contra a Corrupção ocorrida durante a madrugada anterior na Câmara dos Deputados, a Mesa Diretora da Casa publicou um ato elevando para 33 anos o limite de idade de dependentes do Programa de Assistência à Saúde da Câmara dos Deputados (Pró-Saúde).



Até então, podiam constar como dependentes do plano filhos com no máximo 25 anos, que comprovassem que estavam estudando. O Ato nº 125 ampliou a idade para 33 anos e tirou a exigência de estudo. Mas há contribuição mensal que varia de R$ 305, dos 21 aos 23 anos, a R$ 423, dos 29 aos 33 anos.

Na justificativa, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que a permanência de filhos maiores de 25 anos é salutar. “A extensão da idade de permanência de filhos/enteados poderá trazer benefícios aos atuais participantes da mesma faixa etária em razão da maior diluição de seus sinistros”.

Maia afirmou que o novo grupo não traz ônus financeiro ao programa e que será preciso pagar mensalidade periodicamente reajustada.

Atualmente, a contribuição mensal de cada deputado e servidor é de R$ 322, para um grupo familiar. Segundo informações do Pró-Saúde, ainda há coparticipação de 25% sobre o valor da despesa médica realizada.

O Pró-Saúde tem 17.256 beneficiários, segundo informações da Câmara. Suplentes no exercício parlamentar também têm direito, desde que contribua. Se não estiver no exercício do mandato, perde o direito. Os ex-deputados titulares podem continuar participando do programa de saúde, mas passam a pagar uma contribuição não subsidiada, que hoje está no valor de R$ 1.110,16, diz o site da Câmara.

Leia também: 

Análise

Para Marcos Ferraz, professor adjunto do Departamento de Medicina da Unifesp, a Câmara dos Deputados criou uma regalia a mais. “A legislação de dependência deveria seguir a de qualquer outro cidadão brasileiro. Isso é um benefício indevido para quem já tem muitos benefícios”, avalia.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) não tem uma regra específica, e cabe a cada operadora prever a data limite no contrato. Porém, uma consulta nos sites das empresas permite ver que a maioria aceita a idade máxima de 25 anos, desde que estejam estudando. Para fins de Imposto de Renda, essa é norma vigente.

Segundo Marcos, pode haver vantagem econômica na medida em que o grupo mais jovem utilize menos o plano, e por isso o custo per capita fica diluído. Ele alerta, porém, que o custo total do plano invariavelmente vai subir com a inclusão de mais pessoas. “Pelo nível de prestadores que tem uma carteira dessas, o custo total do plano aumenta. Se o dependente paga o equivalente a um plano de saúde, menos mal. Mas o custo total do plano é para o contribuinte brasileiro”, afirma.

Veja também: 






Rosana Felix
Gazeta do Povo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...