terça-feira, 16 de maio de 2017

Gilberto Carvalho atribui seu indiciamento ao 'ódio' dos 'golpistas'


Imagem: Givaldo Barbosa / Ag. O Globo
O ex-chefe de gabinete do ex-presidente Lula, Gilberto Carvalho, afirmou nesta terça-feira, por meio de nota, ter recebido com “surpresa e absoluta indignação” a notícia do seu indiciamento na Operação Zelotes, classificado também por ele como “absurdo”.


Carvalho foi indiciado junto com Lula e outras 11 pessoas pela Polícia Federal no inquérito que investiga a edição da Medida Provisória 471, que estendeu a vigência de incentivo fiscal às montadoras e fabricantes de veículos instalados nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Segundo o relatório de indiciamento, anotações analisadas na investigação mostram indícios de que a edição da MP 471 envolveu pagamento de R$ 6 milhões que seriam destinados ao PT.

Entre os demais indiciados estão a ex-ministra Erenice Guerra e os empresários Carlos Alberto de Oliveira Andrade, da empresa Caoa, e Paulo Ferraz, ex-presidente da Mitsubishi.

Leia também: 

“Recebi com surpresa e absoluta indignação a notícia do meu indiciamento, assim como do Presidente Lula neste processo da Operação Zelotes. Só a decisão premeditada de fazer valer tudo nessa guerra jurídica e política pode ter levado membros da PF a tomar esta iniciativa. Só o ódio que cega pode ter levado funcionários públicos que deveriam zelar pela respeitabilidade de sua Instituição a praticar tamanho absurdo”, afirma a nota do ex-chefe de gabinete de Lula e ex-ministro da Secretaria Geral da Presidência no primeiro mandato de Dilma Rousseff.

Carvalho disse que durante o seu período no governo Lula acompanhou a preocupação do ex-presidente em estimular a produção automobilística. “As medidas provisórias de estímulo à descentralização da produção visavam unicamente a estes objetivos, de fazer o desenvolvimento se espalhar por regiões como o Nordeste e o Centro Oeste”, acrescentou.

Carvalho afirmou ainda ter deixado claro em seu interrogatório que falava a verdade. “Se agentes bandidos e parlamentares que apoiaram o golpe se envolveram em negociatas com as empresas, que sejam eles punidos, e não nós que só fizemos lutar por este País. Não é justo que sejamos perseguidos por um ódio que não cultivamos, pelo simples fato de contradizermos interesses de um projeto que agora destrói o País.”

O aliado de Lula ainda disse esperar que o Ministério Público Federal não dê prosseguimento ao indiciamento. “Não posso ser condenado porque um lobista anotou meu nome para uma reunião que nunca existiu. Espero que o Ministério Público analise com o devido cuidado esta denúncia infundada e não aceite mais esta demonstração clara de perseguição política por parte de membros de um órgão do Estado brasileiro. Vou lutar até às últimas consequências para defender a única riqueza real que possuo: a minha honra”, conclui o ex-ministro.

Veja também:













Sérgio Roxo
O Globo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...