segunda-feira, 15 de maio de 2017

'Tucanos e petralhas querem continuar com as urnas fraudáveis da Smartmatic para se eternizarem no poder', acusa Levy Fidelix


Imagem: Montagem Ilustrativa / Folha Política
Levy Fidelix acusa diretamente "tucanos e petralhas" de possuírem um acordo político para se revezarem desde 1994. "É uma confraria do roubo!", alega.

Segundo Fidelix, provável presidenciável em 2018, os partidos PT e PSDB têm um acordo de fazer a "política das tesouras" ou "estratégia das tesouras", segundo a qual o poder é alternado entre amigos de linha ideológica praticamente equivalente - isto é, a defesa das doutrinas de esquerda. 

"Os atuais detentores do poder, inclusive o PMDB e o DEM, querem o controle de urnas fraudáveis, não conferíveis, implantando a cláusula de barreira e o voto em lista. Já se provou que podem ser adulteradas. De que adianta rapidez sem a segurança do voto correto? Esta tecnologia não é auditável. Conforme relata o engenheiro Amílcar Brunazzo, estas urnas eletrônicas já foram rejeitadas em mais de 50 países devido à baixa confiabilidade (saiba mais clicando aqui)", destaca Fidelix.

Ele corrobora a posição do deputado Jair Bolsonaro, o qual fez severas críticas à tentativa de impedir o voto impresso nas eleições de 2018. O parlamentar denunciou esforços conjuntos que estão sendo feitos para barrar o voto impresso nas próximas eleições. "Sem o voto impresso, não teremos eleições limpas em 2018. Os grandes partidos, o sistema, elegerá o presidente da República que lhe interessar, bem como reelegerá deputados e senadores comprometidos com a corrupção", acusou o militar da reserva.

Para Fidelix, as provas de vulnerabilidade do sistema são abundantes. "Sem o voto impresso para coibir tais fraudes, os 'donos da bola' vão brincar com o povo brasileiro, o manipular como gado. Josef Stálin, ditador da União Soviética, já dizia, não importa quem vota, importa quem conta os votos! Sem um sistema seguro, não teremos uma real democracia", concluiu.

Ex-Delegado da Polícia Federal asilado na Suíça afirma ter provas de fraude nas urnas eletrônicas

O ex-delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz, em entrevista à jornalista Mariana Godoy, revela ter provas de fraude nas urnas eletrônicas brasileiras. Um áudio com comentários a trechos da entrevista viralizou nas redes sociais. Assista ao vídeo:


Leia também:
Juristas dizem que Cardozo cometeu crime ao informar Dilma sobre operações da PF
'A palavra final [dos esquemas] tinha de ser sempre do chefe, e o chefe era Lula', denuncia marqueteiro João Santana

Veja também: 





Luciana Camargo
Folha Política
Leia mais notícias do poder e da sociedade em Folha Política 
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...