sexta-feira, 14 de julho de 2017

Cunha fica calado durante depoimento à PF sobre fraudes na Caixa


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) ficou calado durante o depoimento prestado na manhã desta sexta-feira (14) na sede da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, no âmbito da operação Cui Bono?, que investiga irregularidades na liberação de créditos da Caixa Econômica Federal. O depoimento começou às 11h.



Segundo o advogado dele, Délio Lins, Cunha não respondeu aos questionamentos porque eles são referentes a uma ação penal que tramita em Brasília. "Ele vai responder às perguntas em juízo", afirmou.

Cunha deixou o Complexo Médico-Penal (CMP), em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, onde cumpre pena em regime fechado para prestar depoimento na Superintendência da PF. As investigações sobre o pagamento de propina para a liberação de recursos do banco estatal acontecem no Distrito Federal.

Leia também:
Doria pisoteia Lula sem piedade e acaba com petistas: 'Mentiroso, usurpador, enganador!'; veja vídeo

O principal alvo da Cui Bono? é o ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) Geddel Vieira Lima, nomeado vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa durante o governo Dilma Rousseff. Além de Geddel, fariam parte do esquema o lobista Lucio Funaro, Eduardo Cunha, e Fábio Cleto, ex-vice presidente de Governo e Loterias da Caixa – que fechou no ano passado um acordo de delação premiada.

Geddel cumpre prisão domiciliar na Bahia e Funaro está na carceragem da PF em Brasília.

Segundo investigações, Cunha e Geddel teriam intermediado pelo menos R$ 1,2 bilhão em operações financeiras de empresas privadas junto à CEF (Caixa Econômica Federal) em troca de propina. Elas tiveram início a partir da apreensão de um telefone celular de Cunha durante a Operação Catilinárias, em dezembro de 2015. A PF encontrou mensagens de texto no celular do ex-presidente da Câmara referentes ao período em que Geddel foi vice-presidente de Pessoa Jurídica da CEF, entre 2011 e 2013.

Veja também: 
 

Mirthyani Bezerra
UOL
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...