terça-feira, 18 de julho de 2017

Deputados querem limitar gastos de equipes de ex-presidentes


Imagem: Reprodução
Depois que o GLOBO mostrou, na segunda-feira, que a equipe de Dilma Rousseff gastou mais de R$ 520 mil com diárias e passagens nos primeiros seis meses de 2017, parlamentares passaram a defender regras mais rígidas para este tipo de despesa. Para adversários do PT, o decreto que permite a cada um dos ex-mandatários ter até oito assessores, com salários e gastos com viagens bancados pelos cofres públicos, deve ter regras mais duras, como um limitador. Já para petistas, trata-se de um assunto menor.



O levantamento mostrou que a equipe da petista consumiu o triplo do que os assessores dos outros ex-presidentes usaram, juntos, no mesmo período. A presidente tem usado as viagens para fazer campanha criticando o processo de impeachment.

O líder do DEM, deputado Efraim Filho (DEM-PB), afirma que sua assessoria irá avaliar maneiras de alterar o decreto de forma que ele seja mais objetivo em relação aos gastos.

"É o caso de ter limitadores para aquilo que é uma representação institucional, não para satisfazer vaidades. Se ela quer tratar de assuntos particulares, que faça com seu próprio dinheiro. Vou fazer uma reavaliação do decreto ", afirma Efraim.

Leia também:  
Moro decide que R$ 16 milhões do caso triplex vão para a Petrobras
Ação que questionava nomeação de Lula para Casa Civil é extinta
É 'deprimente' um procurador ajudar criminosos, diz presidente do STJ ao manter prisão
Popularidade levou Lula a se achar invulnerável, diz biógrafo britânico de petista
Relator petista que propôs a 'emenda Lula' defende o voto em lista fechada; assista
Moro compara Lula a Eduardo Cunha em resposta a recurso
Em encontro do Foro de São Paulo, Gleisi manifesta apoio a Maduro
Governo já planeja criar novo imposto sindical 'disfarçado'

Para o especialista em contas públicas Raul Velloso, seria preciso estabelecer um teto de gastos para este tipo de despesa, a exemplo do que foi feito com as contas públicas em geral em dezembro do ano passado.

"Num momento de moderação, o que se deve gastar nesse tipo de coisa deve ser razoável. Não deveria ultrapassar o que os presidentes anteriores gastaram. Não é nada sofisticado, nem científico, mas dá noção do que deveria ser limite para que os gastos atuais não soem como excessivos", defende.

Para o líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini (PT-SP), este assunto não é prioridade. Ele acredita que Dilma teve de viajar de forma mais intensa nos primeiros meses após sofrer o impeachment para “denunciar o golpe”. Mas, segundo Zarattini, Dilma não irá mais viajar e a tendência é que esses gastos sejam naturalmente reduzidos.

"Eles reclamam quando é nosso caso. Quando é FH, José Sarney, não falam nada. Existe uma regra que está sendo respeitada, para que fazer mudança? Os ex-presidentes sempre tiveram essa segurança e mobilidade", pontua Zarattini.


Veja também:  

 

O Globo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...