segunda-feira, 24 de julho de 2017

Fachin deve perder metade dos inquéritos do caso Odebrecht


Imagem: Marcelo Camargo / ABr
Em abril deste ano, a delação dos executivos da Odebrecht inflou os números já grandiosos da Operação Lava-Jato. Na ocasião, foram abertos 76 novos inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar políticos com foro privilegiado. Mas aos poucos, o selo “Lava-Jato” está se descolando das investigações que surgiram a partir das colaborações da construtora.


Ao longo deste mês, a Procuradoria-Geral da República (PGR) fez uma série de pedidos que, caso venham a ser aceitos, farão com que mais da metade dos inquéritos não integrem mais a operação, focada em irregularidades na Petrobras.

Leia também: 
Desembargador nega pedido de habeas corpus para Lula feito por correspondência
Depois de quase 8 meses, Celso de Mello conclui revisão e STF 'destrava' processo contra Renan
Cabral pede afastamento de juiz em caso sobre joias
Janot pede que STF investigue deputado Luiz Sérgio pelo crime de peculato
Lula diz que propina foi 'inventada' por empresários e pelo MP

Seleto grupo de servidores públicos mantém privilégios acima da média

Além dos 76 inquéritos de abril, outros dois foram abertos posteriormente, elevando o total para 78. A autorização para a instauração das investigações foi dada pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava-Jato no STF. Mas 24 inquéritos já foram redistribuídos, ou seja, entregues a outros ministros, por tratar de irregularidades sem ligação com desvios na Petrobras.

Pelo mesmo motivo, a PGR pediu que outros 16 sigam esse caminho. Caso o STF decida favoravelmente, o que é praxe, serão pelo menos 40 inquéritos com outros ministros, restando 38 com o selo “Lava-Jato” no gabinete de Fachin.

Veja também:  







André de Souza
O Globo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...