segunda-feira, 10 de julho de 2017

Lava Jato em São Paulo pede 12 inquéritos por propina e caixa 2 da Odebrecht


Imagem: JF Diorio / Estadão
O Núcleo de Combate à Corrupção (NCC) do Ministério Público Federal em São Paulo requisitou a instauração de 12 inquéritos policiais para a investigação de supostas irregularidades reveladas em delação premiada por executivos da Odebrecht. Os depoimentos integram os acordos de colaboração firmados com a Procuradoria-Geral da República no âmbito da Operação Lava Jato. Os fatos apontados se referem a supostos pagamentos de propina e caixa 2 da construtora a agentes públicos e políticos que se candidataram nas eleições de 2010, 2012 e 2014.



Entre os casos que serão apurados estão financiamentos de campanhas a cargos de presidente da República, governador, prefeito, deputado federal e deputado estadual.

A suspeita é de que o dinheiro tenha sido repassado pela Odebrecht às candidaturas sem declaração à Justiça Eleitoral.

“Há também informações sobre o pagamento de vantagens indevidas a integrantes de prefeituras paulistas e do Governo do Estado para o favorecimento da empresa em concessões e obras públicas, como as da Linha-2 do Metrô e da Rodovia Carvalho Pinto”, informa o Ministério Público Federal.

Leia também: 
PGR faz oferta para contratar 'cérebro' suíço da Lava Jato
Alexandre de Moraes ajuda políticos investigados ao 'segurar' processo sobre foro privilegiado
'O governo parece um filme de terror', diz Renan Calheiros
Relatório sobre denúncia contra Temer será lido hoje à tarde

Os 12 ofícios para instauração de inquérito foram enviados à Polícia Federal.

Com os pedidos, o Núcleo de Combate à Corrupção dá prosseguimento a quase metade das 27 petições que o ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin encaminhou à primeira instância da Justiça Federal em São Paulo.

A remessa dos autos se deve ao envolvimento de investigados sem foro privilegiado apontados nos depoimentos dos executivos da empreiteira.

Além disso, os procuradores enviaram sete petições do ministro a unidades do Ministério Público Federal em municípios do interior onde teriam ocorrido irregularidades narradas nas colaborações.

Houve ainda o pedido de declínio de competência para que o Ministério Público do Estado conduza uma petição relativa a um agente do Tribunal de Impostos e Taxas de São Paulo, vinculado à Secretaria Estadual da Fazenda.

Completam a lista de providências dadas aos encaminhamentos do STF outros sete procedimentos que já foram distribuídos para diferentes procuradores em São Paulo.

Os procuradores que compõem o Núcleo de Combate à Corrupção aguardam a autorização da Procuradoria-Geral da República para a formação de uma força-tarefa dedicada às investigações.

“A constituição do grupo possibilitará que os membros atuem de maneira mais integrada e colaborativa, agilizando o andamento dos trabalhos.”


Veja também: 
 
 






Julia Affonso e Luiz Vassallo
O Estado de S.Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...