terça-feira, 18 de julho de 2017

Lula e Ministério Público recorrem da sentença de Moro


Imagem: Edilson Rodrigues / Ag. Senado
Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciaram na tarde de hoje (18) que vão recorrer da decisão do juiz federal Sérgio Moro, que não acolheu os argumentos apresentados pela defesa nos embargos de declaração após ter condenado o petista a nove anos e meio de prisão. Nesta fase do processo, as apelações são encaminhadas à segunda instância, no caso o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).



O Ministério Público Federal (MPF) também recorreu, ontem, da decisão de Moro, apesar da sentença favorável, para aumentar a pena imposta ao petista. Os argumentos do MPF para aumentar a pena serão apresentados após o recebimento oficial da sentença, em prazo a ser estipulado pelo magistrado.

Em nota assinada pelo advogado Cristiano Zanin Martins, a defesa do ex-presidente questionou trechos do despacho de Moro publicado hoje de manhã. “Este juízo jamais afirmou, na sentença ou em lugar algum, que os valores obtidos pela Construtora OAS nos contratos com a Petrobras foram usados para pagamento da vantagem indevida para o ex-presidente”, escreveu o juiz.

Leia também:  
Lava Jato identifica 31 conversas e trocas de mensagens entre Léo Pinheiro e ministro do TCU
Deputados querem limitar gastos de equipes de ex-presidentes
Moro decide que R$ 16 milhões do caso triplex vão para a Petrobras
Ação que questionava nomeação de Lula para Casa Civil é extinta
É 'deprimente' um procurador ajudar criminosos, diz presidente do STJ ao manter prisão
Popularidade levou Lula a se achar invulnerável, diz biógrafo britânico de petista
Relator petista que propôs a 'emenda Lula' defende o voto em lista fechada; assista
Moro compara Lula a Eduardo Cunha em resposta a recurso
Em encontro do Foro de São Paulo, Gleisi manifesta apoio a Maduro
Governo já planeja criar novo imposto sindical 'disfarçado'
Alexandre Garcia faz duras críticas ao desarmamento ao constatar mais de 60 mil mortos por ano: 'Passaram a apoiar bandidos. Desarmaram os bons. O resultado é óbvio'

Para Martins, a frase é uma prova de que Sérgio Moro "criou uma acusação própria, diferente daquela apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF)". O advogado defende que há falta de correlação entre a sentença e a acusação — o que, segundo ele, "revela a nulidade da decisão" de condenar Lula.

Martins disse ainda que Moro, ao reconhecer que os valores obtidos pela OAS nos contratos com a Petrobras não foram usados para beneficiar Lula, mostrou ter errado ao admitir a estatal como assistente de acusação no processo.

"Mostra, ainda, manifesto equívoco ao condenar Lula a reparar 'danos mínimos' ao reconhecer que o ex-presidente não foi beneficiado com valores provenientes dos três contratos envolvendo a petrolífera que estão indicados na denúncia", diz a nota da defesa.



Veja também:  


 

Diário do Poder
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...