sábado, 15 de julho de 2017

Moro manda intimar Lula da sentença de 9 anos e seis meses de prisão e tensão se agrava


Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política
O juiz Sérgio Moro mandou intimar o ex-presidente Lula da sentença de 9 anos e 6 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no caso tríplex. A carta precatória nº 700003610473 deverá ser levada por um oficial de Justiça ao endereço onde mora o petista, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo.



O magistrado atribuiu os crimes de corrupção passiva pelo recebimento de vantagem indevida da OAS em decorrência de contrato com a Petrobras e de lavagem de dinheiro pela ocultação e dissimulação da titularidade do apartamento 164-A, o tríplex, e por ter se beneficiado de reformas realizadas no imóvel.

Leia também: 
'Quem esse povo pensa que é?', retruca procurador após PT dizer que condenação de Lula é 'ataque' à democracia
Janaína Paschoal alerta petistas: 'Se continuarem a ameaçar a Justiça, causarão a prisão de Lula por obstrução!'
Alexandre Frota ataca Marina Silva: 'Passa a noite se oferecendo para entrar no lugar de Lula, é o ET de Vagi**'
Senadora Ana Amélia desmascara planos petistas e alerta: 'Se o PT voltar ao poder, transformará o Brasil numa Venezuela!'
Petista articula ’emenda Lula’ para impedir prisão de políticos
Veja o discurso de Ada Pellegrini Grinover pelo impeachment de Dilma
Moradores reclamam de 'carma' de prédio do tríplex do Guarujá
Maduro proíbe imprensa de mencionar plebiscito simbólico realizado pela oposição
'O julgamento das urnas não pode ser substituto da Justiça', diz procurador da Lava Jato

Na sentença, Sérgio Moro considerou existir provas para condenação de Lula pelo recebimento de propinas de R$ 2,2 milhões - R$ 1,1 milhão da diferença entre o preço pago e o preço do tríplex e mais R$ 1,1 milhão pelo custo das reformas.

A carta precatória foi enviada em 12 de julho - dia da sentença - por Moro ao juiz federal competente por distribuição da Subseção Judiciária de São Bernardo do Campo. Sérgio Moro absolveu Lula "das imputações de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo o armazenamento do acervo presidencial, por falta de prova suficiente da materialidade". Além do caso tríplex, a denúncia do Ministério Público Federal acusava o ex-presidente de corrupção e lavagem de dinheiro pelo armazenamento de bens do acervo presidencial, de 2011 a 2016.

Também foram condenados nesta ação penal os executivos José Adelmário Pinheiro, o Léo Pinheiro - corrupção e lavagem a 10 anos e oito meses -, e Agenor Franklin Medeiros - corrupção ativa a seis anos, ambos da OAS. O juiz da Lava Jato absolveu outros executivos da OAS, Paulo Roberto Valente Gordilho, Fábio Hori Yonamine e Roberto Moreira Ferreira, e o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, do crime de lavagem de dinheiro.


Veja também: 
 

Época Negócios
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...