domingo, 9 de julho de 2017

Pânico se alastra por Brasília: Em delação-bomba, Cunha citará 50 políticos, entre eles Temer e Rodrigo Maia


Imagem: Produção Ilustrativa / Folha Política
O deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) deverá citar em sua delação premiada pelo menos 50 políticos, entre eles deputados, senadores e ministros do governo, além do presidente Michel Temer, segundo reportagem do jornal O Globo. São figurões da política nacional com quem Cunha manteve estreitas relações, especialmente durante a campanha que o levou à presidência da Câmara dos Deputados em 2015.


Entre os nomes que devem constar na lista de Cunha estão os ministros Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência, e Eliseu Padilha, da Casa Civil, além do senador Romero Jucá (PMDB-RR). Também irão aparecer na delação os ex-ministros da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, e do Turismo, Henrique Eduardo Alves – estes últimos já estão presos.

Fora do núcleo central do governo, as acusações do ex-deputado deverão atingir o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), segundo a colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, e deputados que, hoje, cerram fileiras para barrar a denúncia contra Temer na Câmara.

Leia também:  
'No Brasil, o fim do mundo tem reprise', afirma Ricardo Amorim sobre delação bombástica de Cunha
Deltan Dallagnol ataca dissolução de equipe da Lava Jato: 'Redução orçamentária não é desculpa para drenar força de trabalho. MPF no mesmo período ampliou equipes na Lava Jato. Trabalho não falta'


De acordo com pessoa familiarizada com as negociações, Cunha poderá falar da atuação parlamentar de Maia em benefício de setores empresariais e de recursos não contabilizados que ele teria recebido para campanhas eleitorais. As informações não teriam, no entanto, potencial de ser a “bala de prata” para inviabilizar uma eventual candidatura de Maia à Presidência da República.

O atual presidente da Câmara admitiu a colegas que já esperava ser citado por Cunha, mas “por vingança” do ex-parlamentar, já que Maia presidiu a sessão em que ele foi cassado. O peemedebista não poderia ter nenhuma grande revelação a fazer já que os dois nunca foram do mesmo grupo político e até militavam em campos adversários no Rio de Janeiro.

Roteiro com 100 anexos

As acusações mais pesadas do ex-deputado recairiam, no entanto, sobre Temer e Moreira Franco, de acordo com O Globo. Cunha contratou novo advogado e iniciou tratativas para delação após saber que o doleiro Lúcio Bolonha Funaro, acusado de atuar como seu operador, já negociava uma colaboração premiada com o Ministério Público federal.

Nos bastidores da Operação Lava Jato, relatos dão conta de que o ex-presidente da Câmara sabia que seria implicado se Funaro falasse tudo o que sabia e temeu ficar sem ter o que contar em uma eventual negociação com o MPF. Por isso, resolveu se antecipar.

Cunha já teria entregue um roteiro do que pretende contar aos procuradores com mais de 100 anexos e os depoimentos devem começar em breve. O acordo ainda não foi fechado e depende de posterior homologação da Justiça, certamente do Supremo Tribunal Federal, já que envolverá pessoas com prerrogativa de foro.

Contribuiu também para o encaminhamento da colaboração premiada a delação do empresário Joesley Batista e de outros executivos da JBS. Em conversa gravada com Temer no Palácio do Jaburu, na noite de 7 de março deste ano, Joesley disse que fazia pagamentos regulares ao ex-deputado e a Funaro para mantê-los em silêncio. Depois de ouvir o relato do empresário, o presidente respondeu: “tem que manter isso, viu?”.

Veja também: 

 
 



Gazeta do Povo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...