quinta-feira, 13 de julho de 2017

Presidente da Colômbia foi eleito com dinheiro da Odebrecht


Ao todo, campanhas em 2014 do presidente colombiano,
 Juan Manuel Santos (D), e de seu principal adversário,
 Óscar Ivan Zuluaga, receberam US$ 2,6 milhões da Odebrecht
Imagem: Jose Miguel Gomez / Reuters
A Promotoria da Colômbia confirmou nesta quarta-feira que a construtora brasileira Odebrecht assumiu despesas das campanhas presidenciais de 2014 do atual presidente do país, Juan Manuel Santos, e de seu adversário, Óscar Iván Zuluaga.


"Todos os elementos probatórios de natureza testemunhal e documental que a Promotoria tem sob seu poder até a data permitem concluir que, com relação à campanha presidencial 2014-2018, a Odebrecht assumiu custos relacionados com a mesma", concluiu um relatório da Promotoria.

Segundo o documento, enviado ao presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), o juiz Alexander Vega Rocha, o dinheiro foi pago pelo Departamento de Operações Estruturadas - conhecido como ‘setor de propinas’ - da companhia brasileira.

Leia também: 
Condenação de Lula é sinal de que Justiça está funcionando, diz Transparência Internacional
'Só temos plano A', diz Okamotto sobre candidatura de Lula em 2018
Wagner Moura perde o controle após Alexandre Frota ligar para falar sobre condenação de Lula; veja vídeo
Moro diz que não divulgou centenas de diálogos de Lula
Após condenação de Lula por triplex, PT já teme nova sentença por Atibaia
Depois de defender Temer, Maluf defende Lula: 'um exemplo de pessoa para todos os brasileiros’
Jean Wyllys surta e diz que sentença de Moro faz troça dos nove dedos de Lula
Desembargador manda Geddel para prisão domiciliar

A Promotoria disse que foram realizadas duas transferências de US$ 500 mil para a campanha de Santos, correspondentes a um contrato assinado em 2 de fevereiro de 2014 com a empresa panamenha Paddington, ligada à companhia colombiana Sancho BBDO, para fazer uma pesquisa de opinião com o objetivo de "obter uma aproximação com o governo do presidente".

Além disso, foram encaminhadas as declarações de Eleuberto Martorelli, ex-presidente da Odebrecht na Colômbia, e de outros envolvidos, entre eles o ex-congressista Otto Bula, preso em janeiro deste ano por participação no esquema de corrupção. Os documentos foram enviados à juíza Ángela Hernández Sandoval, responsável pela investigação sobre a campanha de Santos na CNE.

Quanto à campanha de Zuluaga, a Promotoria confirmou que a Odebrecht repassou US$ 1,6 milhão, dinheiro que foi movimentado através da Topsail Holding, também com sede no Panamá. Essa investigação está a cargo do juiz Carlos Camargo na CNE.

Com os relatórios da Promotoria e suas próprias investigações, será o CNE o encarregado de determinar se as campanhas de Santos e Zuluaga violaram a lei colombiana em 2014 ao receber dinheiro da Odebrecht. A legislação local proíbe que os candidatos recebam doações de empresas estrangeiras.

Sobre o caso, a Missão de Observação Eleitoral alertou sobre o risco de impunidade sobre o financiamento ilegal da campanha ocorrida há três anos. "No próximo dia 15 de julho caduca a ação sancionatória sobre qualquer dos possíveis fatos relacionados com o financiamento ilegal da Odebrecht na campanha presidencial de 2014", alegou o órgão.

"Se nenhuma punição ocorrer nos próximos dias, se manteria o manto de impunidade em relação a esses fatos, o que evidencia, mais uma vez, a urgência de realizar uma reforma eleitoral", afirmou a Missão de Observação Eleitoral.

Veja também: 

 


O Estado de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...