segunda-feira, 17 de julho de 2017

Schahin diz que ‘não prejudicou’ Petrobrás ao pagar propina de R$ 2,5 milhões


Imagem: Reprodução
O empresário Milton Schahin disse nesta segunda-feira, 17, ao juiz federal Sérgio Moro, que pagou R$ 2,5 milhões em propinas aos executivos da Petrobrás Nestor Cerveró e Eduardo Musa, e ao operador do PMDB, Fernando Baiano sobre contrato da empreiteira que dirige com a Petrobrás para exploração do navio-sonda Vitória 10.000. Indagado pelo juiz da Lava Jato se considerava certo pagar vantagens ilícitas, Schahin disse que acha que sim. Em sua avaliação, a Petrobrás não sofreu prejuízos porque ‘o serviço foi feito e bem feito’. Ele disse que ‘se orgulha do serviço que realizou’.



“Não dei nenhum prejuízo pra Petrobrás, continuei fazendo meu trabalho com boa performance – isso atestado pela própria fiscalização da Petrobrás. Estou fazendo esse trabalho de forma correta e recentemente eu tenho informação de que a própria Petrobrás reconhece que não houve superfaturamento neste contrato. É um dado importante de dizer. É uma questão íntima de foro meu”, afirmou o executivo.

Questionado por Moro se ele pagar propinas para os agentes ‘não era justificado’, ele rebateu: “Como eu lhe disse, eu sinto que não prejudiquei a Petrobrás. Fiz um trabalho que me orgulho e esse trabalho está executado”.

Leia também:
Advogado destrói argumentos contra delações premiadas: 'garantismo de ocasião'
TRE do Paraná pede informações a Moro para julgar contas de Gleisi em 2014

O empreiteiro é delator. Ele fechou acordo de colaboração premiada com a força-tarefa do Ministério Público Federal em Curitiba, base da Lava Jato. Ele depôs nos autos do processo relativo à 38.ª fase da operação, que pegou os lobistas Jorge e Bruno Luz, pai e filho, apontados como operadores de propinas do PMDB.

Schahin disse a Moro que ‘foi chantageado’ a pagar propina. Se não pagasse, não conseguiria fechar contrato com a estatal petrolífera. Ele admitiu que os pagamentos foram dissimulados por meio de duas offshores e uma empresa indicada por Jorge e Bruno Luz, apontados como operadores do PMDB.

Os investigadores atribuem a Jorge e a Bruno Luz o papel de operadores de propinas do PMDB. Eles teriam distribuído US$ 40 milhões a políticos da sigla, principalmente em contas sediadas no exterior.


Veja também:  



 

Fausto Macedo e Luiz Vassallo
O Estado de S. Paulo
Editado por Folha Política
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...