terça-feira, 22 de agosto de 2017

'A única coisa que unifica o Congresso é a vontade de se reeleger', diz relator da 'reforma política'


O deputado petista Vicente Cândido é o criador
do fundo de campanha de R$ 3,6 bilhões
Imagem: Felipe Rau / Estadão
Relatores de propostas que podem alterar o sistema eleitoral brasileiro nas próximas eleições admitiram nesta segunda-feira, 21, durante o “Fórum Estadão – Reforma Política em Debate”, realizado em parceria com o Centro de Liderança Pública, que a discussão que está sendo feita no Congresso tem como pano de fundo o interesse dos parlamentares de preservarem seus próprios mandatos.



“A reforma política está sendo feita para atender aos interesses da reeleição”, disse o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), autor, no Senado, da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que sugere o fim das coligações partidárias e a adoção da chamada cláusula de barreira. O senador concluiu que “dificilmente” o Brasil vai alcançar um sistema perfeito. “Nosso desafio é que ele dialogue com imperfeições.”

Leia também: 
Deputados criam nova proposta para as próximas eleições e podem votar ainda hoje
Governo propõe a privatização da Eletrobrás
Entidade comandada por Jacob Barata já patrocinou Gilmar Mendes
Líder petista em Sergipe anuncia Lula como ‘futuro presidiário’
Juízes e procuradores farão ato de desagravo ao juiz Marcelo Bretas por declarações de Gilmar Mendes
Janot pede suspeição do ministro Gilmar Mendes por libertar pai da afilhada
Corregedoria conclui que palestras de Deltan Dallagnol foram perfeitamente lícitas
Janot denuncia Romero Jucá na Zelotes
Moro condena Duque e impõe multa de R$ 115 milhões
Bolsonaro é o político mais presente na internet, segundo várias pesquisas
Gilmar Mendes é vaiado em evento sobre a reforma política: 'Vergonha!'
Suspeito que Gilmar libertou guardava R$ 2,4 milhões em espécie em casa
Diretores de Instituto Federal são afastados após permitir que a instituição fosse 'tomada' pelo MST
Moro diz que financiamento público integral de campanhas impede renovação política
Petições pelo impeachment de Gilmar Mendes aproximam-se de um milhão de assinaturas
Fundo público de R$ 3,6 bilhões desafia fiscalização eleitoral

Para o deputado Vicente Cândido (PT-SP), relator da reforma política na comissão especial da Câmara, que tem como principais pontos a adoção do sistema distritão e a criação de um fundo público para financiar as campanhas eleitorais, o que une os parlamentares em torno da discussão é a intenção de garantir a reeleição. “Nós temos que ter paciência com esse Congresso. A única coisa que unifica o Congresso é a vontade de se reeleger”, disse.

O deputado avaliou que a reforma política em si não vai garantir a eleição de um parlamentar. “Não vai ser distritão, distritinho ou distrital puro que vai salvar o Congresso. Ou o Congresso se debruça sobre uma pauta da vida real das pessoas ou não vão ser esses modelos que vão salvar esse Congresso.”

Cândido afirmou que o eleitor está mais preocupado com temas como a volta do emprego e a retomada da economia. “Ou o Congresso vira a página e foca em mudanças na economia e que tragam emprego, que é o que o povo percebe. É isso que vai ser a credencial para que eu possa obter voto. Não vai ser a reforma política”, declarou.

Defensor da reforma e do distritão em 2018 como um “teste” para um sistema distrital misto nas eleições seguintes, o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou os opositores às mudanças propostas. “Aqueles que têm puxadores de legenda têm defendido o modelo atual.”

‘Reforma possível’. Maia ressaltou a importância da discussão, mas disse que o texto que deve sair do Congresso será o “possível”. “A reforma política vai continuar sendo um debate importante, mas a gente não vai conseguir aprovar tudo agora. Se aprovarmos do jeito que está, teremos o debate de como regulamentar o distrital misto no País”, afirmou o deputado. 

Ao falar para representantes da sociedade civil, Maia criticou a ausência de conteúdo programático na formação das coligações partidárias nas eleições brasileiras. “A formação de chapa hoje no Brasil é uma coisa completamente inorgânica, sem nenhum comprometimento com aquele partido. Hoje o candidato disputa pelo PC do B e amanhã ele pode fazer pelo DEM”, disse o parlamentar.

Ainda sobre a formação de chapa, Maia afirmou, em tom crítico, que hoje “o importante para um candidato é encontrar um caminho para ele se eleger com menos votos”. 

No debate, o cientista político Rafael Cortez, da Tendências Consultoria, defendeu uma reforma “minimalista” para as eleições do ano que vem. “Seria salutar e ideal que a disputa de 2018 fosse marcada por regras que alterassem minimamente o jogo de forças para que a sociedade tenha oportunidade de se manifestar”, disse.

2018. O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, afirmou que as alterações no sistema político-eleitoral deveriam entrar em vigor já na próxima eleição. “Estamos vivendo os últimos momentos que reflitam na eleição de 2018. Não há o que reclamar pelo fato de não termos feito até agora. O importante é que façamos algo que nos permita levar um melhor sistema político-eleitoral para o ano que vem”, disse Gilmar. 


Veja também:




O Estado de S.Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...