quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Após acidente aéreo, ex-senador boliviano Roger Pinto Molina morre em Brasília


Imagem: Ueslei Marcelino / Reuters
O ex-senador boliviano refugiado no Brasil Roger Pinto Molina morreu nesta madrugada no Hospital de Base de Brasília após uma parada cardiorespiratória. Molina sofreu acidente aéreo sábado passado (12) depois de decolar do Aeroclube de Luziânia (GO).



No Twitter, o senador Sérgio Petecão (PSD-AC) lamentou a morte do boliviano. “É com pesar que comunico o falecimento do grande amigo senador boliviano Roger Pinto Molina”, escreveu.

O corpo de Molina foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML), por se tratar de um acidente aéreo.

Leia também: 
Pesquisa indica que, se eleições fossem hoje, Lula e Bolsonaro disputariam o segundo turno
'Reforma política' pode ser votada no plenário da Câmara hoje
Nova fase da Lava Jato chega ao Rio Grande do Sul e apura crimes contra o sistema financeiro
Ator Nelson Freitas faz convocação urgente contra 'bolsa-político' de R$3,6 bilhões: 'Chega de canalhice!'; veja vídeo
Raquel Dodge chama grupo de Janot para ficar na Lava Jato
Procuradores da Lava Jato publicam vídeo com alerta urgente à população sobre planos escusos dos corruptos; veja
CNJ manda suspender pagamentos milionários a juízes do Mato Grosso
Lula defende permanência de Maduro no poder
Governo anuncia nova meta fiscal para 2017, de R$ 159 bilhões
Não há previsão para rediscutir prisão após 2ª instância, diz Cármen Lúcia


Em 2012, Molina recebeu asilo na Embaixada brasileira na Bolívia, onde passou mais de um ano, alegando ser perseguido político, por ter feito denúncias contra o governo de Evo Morales.

Molina, então senador de oposição ao governo boliviano, entrou no Brasil em 2013 depois de uma travessia controversa, com o auxílio do diplomata brasileiro Eduardo Saboia, que agiu sem autorização do Itamaraty.

Com a ajuda de Saboia, Molina percorreu mais de 1.600 km em um carro da Embaixada rumo ao Brasil. O episódio culminou na saída do então chanceler Antonio Patriota, que foi substituído por Luiz Alberto Figueiredo Machado. Já Saboia, que assumiu ter comandado a operação de fuga sem o aval do Itamaraty, foi punido com 20 dias de suspensão.

Na época da fuga do ex-senador, o governo boliviano acusou o Brasil de descumprir normas de direito internacional.

Em agosto de 2015, O Comitê Nacional para os Refugiados (Conare) aprovou a concessão de refúgio a Molina. Assim, conseguiu o registro nacional de estrangeiro, podendo permanecer no país. Em janeiro do ano passado, a coluna de Lauro Jardim noticiou que o ex-senador passou a trabalhar como piloto de helicóptero.


Veja também: 







Maria Lima e Eduardo Bresciani
O Globo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...