terça-feira, 22 de agosto de 2017

Empresário dizia influenciar Mantega, afirma delator da Zelotes


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Primeiro delator da Operação Zelotes, o ex-auditor Paulo Roberto Cortez disse em seu acordo de colaboração premiada que o empresário Victor Sandri afirmava ter poder de influenciar o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega para conseguir alterações na composição do Carf.



Vinculado ao Ministério da Fazenda, o Carf é um tribunal administrativo que analisa recursos apresentados por empresas contra multas aplicadas pela Receita Federal.

Sandri é dono da Cimentos Penha, que conseguiu por meio de recurso no Carf, segundo o Ministério Público, livrar-se de uma multa de R$ 57 milhões aplicada em 2004.

Leia também: 
Funaro fecha acordo de delação com MPF
'A única coisa que unifica o Congresso é a vontade de se reeleger', diz relator da 'reforma política'
Deputados criam nova proposta para as próximas eleições e podem votar ainda hoje
Governo propõe a privatização da Eletrobrás
Entidade comandada por Jacob Barata já patrocinou Gilmar Mendes
Líder petista em Sergipe anuncia Lula como ‘futuro presidiário’
Juízes e procuradores farão ato de desagravo ao juiz Marcelo Bretas por declarações de Gilmar Mendes
Janot pede suspeição do ministro Gilmar Mendes por libertar pai da afilhada
Corregedoria conclui que palestras de Deltan Dallagnol foram perfeitamente lícitas
Janot denuncia Romero Jucá na Zelotes
Moro condena Duque e impõe multa de R$ 115 milhões
Bolsonaro é o político mais presente na internet, segundo várias pesquisas
Gilmar Mendes é vaiado em evento sobre a reforma política: 'Vergonha!'
Suspeito que Gilmar libertou guardava R$ 2,4 milhões em espécie em casa
Diretores de Instituto Federal são afastados após permitir que a instituição fosse 'tomada' pelo MST
Moro diz que financiamento público integral de campanhas impede renovação política
Petições pelo impeachment de Gilmar Mendes aproximam-se de um milhão de assinaturas

Fundo público de R$ 3,6 bilhões desafia fiscalização eleitoral

Segundo o delator, empresários tinham interesse em influir na composição das turmas do conselho e alguns nomes de conselheiros eram entregues a Sandri, que os repassava a Mantega. Cortez afirma que nomes foram alterados de forma a acolher os pedidos dos empresários.

Cortez disse que Sandri afirmava se reunir pelo menos uma vez por semana com Mantega em São Paulo, em jantares às sextas-feiras. Segundo Cortez, ele e Sandri usavam um código para se referir a Mantega: "Amiga".

O delator entregou e-mails que comprovariam contatos mantidos com Sandri, mas não o conteúdo das conversas, que não foram gravadas.

Cortez é o segundo delator que vincula Sandri a Mantega. Em depoimento neste ano à PGR (Procuradoria Geral da República) e à PF, o empresário de carnes Joesley Batisa disse que pagou R$ 50 mil mensais para Sandri que, em troca, "intermediou" contatos com o ex-ministro. Joesley tinha interesse em obter empréstimos no BNDES.

A participação de Mantega nos esquemas investigados pela Zelotes não foi confirmada até o momento pela PF.

Em janeiro passado, a instituição concluiu inquérito que tratou dos mesmos fatos relatados por Cortez, mas não indiciou Mantega, pois não foram encontradas provas de crimes cometidos por ele.

O inquérito terminou com o indiciamento de Sandri por supostas corrupção e lavagem de dinheiro.

O advogado do empresário, Ticiano Figueiredo, afirmou que seu cliente "jamais participou de qualquer ato ilícito, seja ele próprio, seja em nome do ex-ministro" Guido Mantega.

"Apesar de não ter tido acesso ao conteúdo da delação, a defesa considera mais uma tentativa de vê-lo envolvido na prática de atos ilícitos sem qualquer tipo de prova", disse o advogado.

O defensor de Mantega, procurado, não foi localizado para comentar o assunto.


Veja também:





Rubens Valente
Folha de S. Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...