segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Moro diz que financiamento público integral de campanhas impede renovação política


Imagem: Reprodução / Veja
O juiz da 13ª Vara Federal em Curitiba, Sérgio Moro, criticou em evento relizado na semana passada a ideia de financiamento público integral de campanhas eleitorais, presente na proposta de reforma política em debate no Congresso Nacional e, para ele, um empecilho à renovação de quadros políticos. 



Embora tenha elogiado a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que no passado proibiu doações eleitorais empresariais, ele defendeu um novo pacto regulatório que envolva o tema como alternativa à atual proposta:

— Há tendência de que quem tem mandato político queira continuar dentro, e queira deixar fora quem está fora. Um financiamento publico tem que ser muito bem pensado para evitar esse tipo de problema. A decisão do STF foi extremamente importante, o sistema anterior não era adequado. Mas acho que essa reforma política como está sendo pensada não é uma verdadeira reforma política. Tem que se pensar diferente para resolver este problema — disse Moro, durante evento promovido pela rádio “Jovem Pan”, em São Paulo.

Leia também: 
Petições pelo impeachment de Gilmar Mendes aproximam-se de um milhão de assinaturas
Fundo público de R$ 3,6 bilhões desafia fiscalização eleitoral
Janaína desmascara discurso petista de que só ricos se opõem a Maduro: “deviam ir a Roraima e ver os ‘ricos’ dormindo na rua”

O juiz, que fez as críticas “com todo respeito ao nosso Parlamento”, lembrou que “a democracia de massa e campanhas têm um custo” e que, como “doações de pessoas físicas talvez não sejam suficientes”, seria possível até mesmo pensar em uma forma de se “restabelecer doações empresariais, desde que com limites muito estritos”.

— Não pode empresa contratante do poder publico fazer doação, me parece muito óbvio. De outro lado, deveria haver limite muito rígidos para doações, para empresário não se sentir devedor — afirmou Moro.

Para o magistrado, é importante criar mecanismos para evitar casos como de “empresas que um dia recebiam empréstimo milionário do BNDES e no dia seguinte realizavam doações eleitorais” e firmas que faziam contribuições a “todo espectro político, como se fosse uma espécie de contrato de seguro”.

Moro citou a expectativa de “mais de R$ 3 bilhões para custeio de eleições quando estamos em momento de crise fiscal”, numa referência às primeiras previsões do projeto em discussão na Câmara, mas disse que a questão não é "apenas do custo”.

— Existe um problema de como esse dinheiro vai ser distribuído. E se a forma como isso vai ser distribuído não vai dificultar a renovação dos mandatos parlamentares e executivos — afirmou o juiz.

CRÍTICAS AO FIM DA FORÇA-TAREFA DA PF

Durante o evento, o magistrado criticou a decisão recente da Polícia Federal de acabar com a força-tarefa em Curitiba. A medida foi adotada em meio ao avanço das investigações da Lava-Jato sobre os principais integrantes do governo e aliados do presidente Michel Temer.

— Entendo realmente que era apropriado um aumento de efetivo, não no sentido de que há uma intenção deliberada de enfraquecer a operação. Mas acho que não há momento de vacilação. Valeria à pena ter um efetivo maior da Polícia Federal — disse Moro, afirmando não ser “tarefa simples” a escolha de integrantes para atuar em investigações especializadas como as da Lava-Jato em Curitiba e alertando para a importância de se “pegar bons profissionais”.

Sem citar o nome de políticos, o juiz defendeu a importância da mobilização da sociedade civil em torno do combate à corrupção como algo que deve ocorrer dentro de “uma agenda suprapartidária”, para que as pessoas possam ter “fé no regime democrático”.

— Não pode ser (realizado) seletivamente, tem que ser contra todos aqueles que se envolvem com esse tipo de atividade —afirmou.

Leia também: 
'Gilmar Mendes demora em média 22 dias para examinar liminarmente um habeas corpus. No caso de Barata, demorou 1 dia', ataca Deltan Dallagnol, procurador da Lava Jato

Citando o exemplo da Operação Mãos Limpas, da Itália, que resultou em forte ação política e legislativa para prejudicar o avanço de novas investigações, disse ser fundamental estar em alerta para evitar que a nova formação do STF não reverta a regra que permite a execução de penas a partir de decisão proferida em segunda instância. Para ele, a medida impediu a “impunidade de crimes praticados por poderosos” que usavam “brechas da lei para manipular o sistema criminal” e “permitir que processos nunca chegassem ao fim”.

— Vejo movimentações no sentido de alterar recentes precedentes. Tenho grande esperança que atual composição do STF não reverta esses precedentes, porque seria algo desastroso para a efetividade da justiça criminal — disse o juiz, classificando a regra como “importante e essencial”, além de “legado do ministro Teori Zavascki“, morto em acidente aéreo no ano passado.

Para Moro, a execução de pena em segunda instância “foi a mudança essencial para que a impunidade dos barões da corrupção não chegue a seu termos e tenhamos um pais mais limpo”.

O juiz voltou a criticar a falta de reações do Executivo e do Parlamento no sentido de reforçar o combate à corrupção, papel que em seu entendimento está restrito, atualmente, ao sistema da Justiça Criminal, isto é, polícia, Ministério Público e Judiciário.

Na abertura do evento, exaltou a presença no auditório do ex-ministro do STF Carlos Ayres Brito, da atual presidente da corte, a ministra Carmen Lúcia, e do advogado Miguel Reale Jr., um dos autores do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Para Moro, “são pessoas íntegras, pessoas que constituem exemplos de conduta para todos nós”.


Veja também:




Thiago Herdy 
O Globo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...