terça-feira, 19 de setembro de 2017

Advogado de Lula depõe a Moro e diz que Marisa Letícia tratava de aluguel


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Compadre do ex-presidente Lula, o advogado Roberto Teixeira prestou depoimento nesta terça-feira (19) ao juiz Sergio Moro e, assim como o petista, atribuiu a responsabilidade sobre um imóvel alvo de ação penal na Lava Jato à ex-primeira-dama Marisa Letícia, que morreu em fevereiro.



Teixeira é réu, junto com Lula, em ação sobre suposto favorecimento da Odebrecht ao ex-presidente por meio da compra de um terreno para o Instituto Lula e de um apartamento em São Bernardo do Campo (SP).

Leia também: 
Janaína Paschoal defende o General Mourão: 'Ele não falou em golpe! Ele alertou para a necessidade de funcionarem as instituições! É muito diferente!'
Brunno Melo, da CBN, pede punição para o General Mourão: 'Discurso infeliz'
Lindbergh Farias se une a deputado petista para exigir punição ao General Mourão: 'Estamos muito preocupados'
'Sistema partidário no Brasil é a institucionalização da desonestidade', diz ministro do STF
Deltan Dallagnol vai ao Canadá para cerimônia de premiação
'Há um clima de absoluta tranquilidade e observância aos princípios de disciplina e hierarquia constitutivos das Forças Armadas', diz Ministro da Defesa após declaração do General Mourão
General Paulo Chagas apoia General Mourão: 'Não há novidade nessa assertiva. É a obrigação de qualquer soldado em qualquer Exército do Mundo'

O Ministério Público Federal e o proprietário formal do imóvel afirmam que Lula não pagou aluguéis pelo uso da unidade, vizinha à que mora. O MP e a Odebrecht afirmam ainda que a propriedade foi adquirida com dinheiro da Odebrecht por meio do engenheiro Glaucos da Costamarques, em 2010.

O advogado disse que assessorou na elaboração do contrato de aluguel e que tratou do assunto com Marisa Letícia, que foi quem assinou o contrato de locação.

Disse ainda que, nos anos seguintes, a ex-primeira-dama pediu ajuda para a elaboração da declaração do Imposto de Renda e afirmou que não tem nenhuma informação sobre como se dava o pagamento de aluguéis a Costamarques.

"Minha atuação é apenas e tão somente como advogado. Não sou administrador, não sou gestor. Sou amigo, tão e somente amigo, mas minha amizade não se estende a essas outras informações todas."

Ele afirma que o fato de os aluguéis estarem declarados no Imposto de Renda de Lula e de Costamarques indica que os valores foram efetivamente pagos. "Se constou no imposto de renda é porque existe."

O apartamento foi comprado pelo engenheiro, falou Teixeira, por uma junção do interesse em investir no imóvel com a pretensão da família de Lula em ocupar a unidade para garantir mais privacidade.

Ele disse que Costamarques mentiu e falou "asneiras" em seu depoimento na Justiça Federal. O engenheiro afirmou que só recebeu aluguéis a partir de 2015.

Ao depor, na semana passada, Lula afirmou que Marisa Letícia administrava o patrimônio da família e disse desconhecer a suposta falta de pagamento de aluguel.


Leia também:

INSS gastou R$ 1,1 bilhão em benefícios pagos a mortos
'O General Mourão precisa ser homenageado, por todos os brasileiros, como Patrono da Luta Patriótica', defende Levy Fidelix
Procuradoria Geral da Justiça Militar diz que não há crime na fala do General Mourão: 'nenhum ilícito penal previsto no Código Penal Militar'

TERRENO

Costamarques também é alvo da acusação na outra parte da acusação, que trata da compra de um terreno da zona sul de São Paulo que abrigaria a sede do Instituto Lula.

O engenheiro comprou o terreno, assumindo uma série de débitos, e revendeu para uma empreiteira ligada à Odebrecht, em uma atuação apontada pela Procuradoria como a de um laranja.

Teixeira negou que tenha havido irregularidades no processo de compra pela Odebrecht da propriedade.

Ele representou, como advogado, Costamarques nessa negociação e disse que o imóvel foi comprado por ser uma "pechincha". Costamarques é primo distante de José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente.

O advogado diz que, após a compra, o ex-diretor da Odebrecht Realizações Paulo Baqueiro de Melo, hoje delator, procurou Costamarques para que um "pool" de empresas adquirisse o imóvel com o objetivo de instalar o Instituto Lula e o acervo presidencial.

Apesar de a Odebrecht Realizações ter negociado a compra da empresa, quem comprou foi a construtora DAG. Segundo Teixeira, esse trâmite foi "absolutamente normal".

"É muito comum num processo de aquisição aparecer uma segunda ou uma terceira pessoa adquirindo o imóvel por conta das negociações [que tenham feito anteriormente]", disse.

Ele negou que tenha recebido qualquer dinheiro "por fora" ou tratado sobre o tema com o ex-ministro Antonio Palocci ou o ex-presidente Lula. Ainda disse que soube, posteriormente, que outros imóveis foram oferecidos a Lula, mas não deu assistência jurídica a nenhum deles. "Minha atuação foi até a lavratura da escritura", repetiu.

Esse é o último depoimento do processo. Agora, Sergio Moro receberá manifestações finais da defesa e do Ministério Público e, então, poderá decidir sobre o caso. O juiz estabeleceu um prazo de cinco dias para a juntada de documentos.


Veja também:








Felipe Bächtold e José Marques
Folha de S. Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...