terça-feira, 12 de setembro de 2017

Comissão da reforma política aprova autorização de bingos para arrecadação eleitoral


Imagem: Ailton de Freitas / Agência O Globo
Enquanto não há acordo para aprovar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que cria um fundo público para financiar as campanhas e o chamado distritão, a comissão especial da reforma política aprovou na tarde desta terça-feira um projeto da reforma política que autoriza a exploração de bingos para a arrecadação de recursos para as eleições.



Esse ponto vinha sendo defendido pelo relator da matéria, deputado Vicente Cândido (PT-SP), mas sofreu críticas ferrenhas dentro de seu próprio partido. O texto aprovado também regula as doações de pessoas físicas e define a distribuição do dinheiro desse novo fundo público, caso ele seja realmente criado. Outra polêmica aprovada foi o perdão de 90% das multas eleitorais dos partidos.

Leia também: 
Após aprovar convocação de Lula, presidente da CPI do BNDES volta atrás
CPI do BNDES aprova convocação de Lula, Mantega e Luciano Coutinho
Provas contra Lula são 'batom na cueca', diz procurador da Zelotes
Eike propõe pagar multa de R$ 55 milhões em acordo de delação
STF julga hoje pedido de suspeição contra Janot, mas pedido contra Gilmar Mendes aguarda há 4 meses
Gilmar Mendes ataca Fachin e diz que STF está 'vivenciando um grande vexame'
E-mails entre Miller e ex-sócia de escritório mencionam acordos de colaboração da J&F e honorários

O chamado texto-base, ou esqueleto do projeto, já foi aprovado, mas ainda faltam ser votados os destaques. A matéria seguirá para o plenário da Câmara e, diferentemente da PEC do fundão e do distritão, precisa de menos votos para ser aprovada por ser um projeto de lei.

O texto já aprovado fixa para 2018 um limite máximo de 10% do rendimento bruto de cada eleitor para serem doados nas eleições. O valor não pode ultrapassar 10 salários mínimos para cada cargo que está sendo disputado.

O fundão e o distritão também já foram aprovados pela comissão, mas seguem empacados no plenário por falta de acordo. São necessários 308 votos, ou 2/3 da Câmara, para avalizá-los.

Tudo o que os deputados conseguiram até o momento foi retirar a previsão contida no texto original de destinar 0,5% das receitas líquidas da União para abastecê-lo. Se fosse mantido e aprovado, esse percentual daria ao fundo R$ 3,6 bilhões a serem distribuídos entre os partidos para bancar as eleições.

A legalização dos bingos ainda pode ser revertida até o fim da sessão da comissão. O PSOL apresentou um destaque, que ainda falta ser votado, para retirar esse artigo do texto. Caso o destaque do PSOL seja aprovado, a legalização dos bingos perde a validade.


Veja também:




 
 

Catarina Alencastro
O Globo

Editado por Política na Rede 
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...