quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Enquanto atenções se voltam para Lula e Dirceu, Câmara votará fundo para campanhas


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O Plenário da Câmara dos Deputados retoma hoje a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 77/03, que altera o sistema para eleição de deputados e vereadores e cria um fundo público para o financiamento das eleições. O fundo proposto pelo deputado petista Vicente Cândido era de R$ 3,6 bilhões, mas os deputados retiraram a parte do artigo que definia o valor e deixaram um "cheque em branco" para que eles mesmos decidam quanto dinheiro público será gasto com as  campanhas. 



A proposta é relatada pelo deputado Vicente Candido (PT-SP) e não tem consenso entre os parlamentares, por isso deve ser discutido por temas. O primeiro assunto a ser analisado deve ser a regra para eleição de deputados e vereadores. A proposta prevê o modelo majoritário, chamado “distritão”, para as eleições de 2018 e 2020. Nesse sistema, são eleitos os mais votados, como já ocorre na eleição para senador e para cargos do Poder Executivo.

Leia também:  

'Exército de Lula' treina cordão de isolamento para receber o ex-presidente réu em Curitiba
Consulta pública sobre revogação do Estatuto do Desarmamento já tem mais de 100 mil apoios
Funaro diz que teve casa invadida e pede apuração ao Supremo

A partir de 2022, a PEC prevê o sistema distrital misto, em que o eleitor faz dois votos: escolhe um candidato e um partido. Metade das vagas vai para os candidatos mais votados nos distritos; e as outras são preenchidas pelos desempenhos dos partidos, seguindo uma lista divulgada antes das eleições.

Atualmente, deputados e vereadores são eleitos pelo sistema proporcional, em que a distribuição das cadeiras leva em conta o desempenho de candidatos, partidos e coligações.

Recursos públicos

Depois de votar, o sistema eleitoral os deputados devem votar o fundo público para custear campanhas eleitorais. Para tentar minimizar a resistência, antes mesmo de aprovar a criação desse fundo, os deputados votaram um destaque que excluiu a destinação de 0,5% da receita corrente líquida, cerca de R$ 3,6 bilhões, para o custeio das campanhas. O valor ficou indeterminado e será decidido pelos próprios deputados. 


Veja também:





 

Agência Câmara
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...