sábado, 9 de setembro de 2017

Ex-procurador também quer ser ouvido por Fachin


Imagem: Fábio Motta / Estadão
A defesa do ex-procurador da República Marcelo Miller informou neste sábado, 9, que o advogado também vai colocar o passaporte à disposição da Justiça e pedir para que ele seja ouvido pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).



O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou nesta sexta-feira, 8, ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedido de prisão de Miller, do empresário Joesley Batista, um dos donos do Grupo J&F, e de Ricardo Saud, diretor do grupo.

A informação foi dada pelo advogado de Miller, André Pericmanis.

Leia também: 
'Palocci abriu a caixa-preta que apavora o PT, entregou as propinas de Lula e Dilma. Lula morreu politicamente', afirma Augusto Nunes
Fachin dá 15 dias para os 'sem foro' do ‘quadrilhão’ do PT se manifestarem sobre envio do processo ao juiz Sérgio Moro
'A confissão de Palocci, o CEO da corrupção petista, é o que faltava para fechar os casos contra Lula. As demais provas já estão aí', afirma jornalista
'Agora espero continuar sustentando Lula e Dilma, mas na cadeia', diz Marco Antônio Villa
'Vendo o Palocci detalhar as roubalheiras de Lula e Dilma tenho convicção de que o problema do Brasil não é falta de dinheiro, é corrupção!', diz Flávio Bolsonaro
'Moro venceu ao divulgar o áudio. Apesar de Teori ter anulado o 'grampo do Bessias', Dilma e Lula vão responder por obstrução de Justiça', afirma jornalista

A defesa de Joesley Batista e Ricardo Saud, delatores do Grupo J&F, também pediu para ser ouvida pelo ministro Fachin antes da decisão sobre o pedido de prisão apresentado pela Procuradoria-Geral da República.

Segundo Pericmanis, a defesa vai questionar o fato de Janot ter tomado a medida antes do depoimento de Miller ter acabado. Ele foi ouvido por cerca de nove horas, nesta sexta-feira, em um depoimento que terminou já na madrugada deste sábado.

O pedido de prisão ainda precisa ser apreciado por Fachin. A decisão de Janot foi motivada pelo conteúdo de uma gravação entregue pela própria defesa do Grupo J&F, na qual Saud e Joesley falam sobre a suposta interferência de Miller para ajudar nas tratativas de delação premiada.

O ex-procurador ainda fazia parte do Ministério Público quando começou a conversar com os executivos, no fim de fevereiro. Ele pediu a saída da instituição em fevereiro e foi exonerado, de fato, apenas em abril.


Veja também:


 
 

Constança Rezende
O Estado de S. Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...