sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Governo do Rio pede Exército na Rocinha após novo tiroteio fechar estrada e causar pânico


Imagem: Gabriel Paiva / Ag. O Globo
Após sofrer tentativa de invasão por traficantes rivais no domingo (17) e entrar nesta sexta-feira (22) em seu quinto dia com operações policiais, a favela da Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro, voltou a registrar confrontos e ataque a policiais na manhã de hoje. Moradores entraram em pânico e, em meio a tiroteio, tentaram se refugiar em passarela. 


O governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) e o secretário de Segurança Pública, Roberto Sá, pediram ao CML (Comando Militar do Leste) a atuação das forças militares na Rocinha. O cerco deve acontecer nas próximas horas, segundo informou o governo do Estado. 

Leia também: 

Um tiroteio fechou a estrada Lagoa-Barra, nos dois sentidos, da altura do Fashion Mall até a Praça Sibélius. Segundo a Polícia Militar, criminosos atiraram contra policiais próximo ao túnel Zuzu Angel. 

Em outro ponto, um grupo de menores de idade, segundo a PM, ateou fogo em um ônibus na subida da avenida Niemeyer, em São Conrado. As chamas foram controladas sem ser necessário o acionamento dos bombeiros, segundo a corporação. 

Policiais militares fazem buscas para localizar os responsáveis pelo incêndio. 

Ainda na manhã de hoje, uma granada foi lançada em direção a uma viatura da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) Rocinha na passarela que dá acesso à comunidade. O artefato não explodiu e o Esquadrão Antibomba foi acionado. 

Em outra comunidade com UPP, a Dona Marta, em Botafogo, na zona sul carioca, também houve registro de violência. Criminosos atiraram contra policiais durante patrulhamento na manhã de hoje. Segundo a UPP, não houve revide por parte dos agentes, que realizam buscam para prender os suspeitos. 

SEM AULA 

A Secretaria Municipal de Educação informa que unidades escolares no Morro do Queto, em Sampaio, Rocinha, Juramento, Acari e Pavuna não abriram nesta sexta-feira (22) devido a confrontos e operações policiais na região. No total, são seis escolas, quatro creches e três EDIs (Espaços de Desenvolvimento Infantil) na rede municipal fechados. Ao todo, 3.910 alunos sem aulas. Só na Rocinha são cerca de 2.400 estudantes afetados. 

Na terça-feira (19) a PM realizou operações em seis favelas do Rio. O objetivo era buscar acusados de participar da invasão da Rocinha no último domingo, mas não houve presos. 

A Secretaria de Segurança do Rio solicitou às Forças Armadas apoio no patrulhamento de 103 pontos da região metropolitana da capital, incluindo vias expressas e imediações de comunidades com risco de conflito.

Veja também:





UOL
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...