sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Nova perícia confirma que procurador que denunciaria Cristina Kirchner foi assassinado


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Na madrugada do dia 18 de janeiro de 2015, o corpo do procurador argentino Alberto Nisman foi encontrado estendido no banheiro de seu apartamento em Buenos Aires. Poucas horas depois, ele deveria comparecer no Congresso argentino para prestar um depoimento que era considerado explosivo para o governo da então presidente Cristina Kirchner. Chefe da investigação do atentado contra a sede da Associação Mutual Israelita da Argentina (Amia), Nisman havia denunciado Cristina e o seu chanceler Héctor Timerman por crimes de traição à pátria. Com base em milhares de horas de escutas telefônicas obtidas legalmente, o procurador estava convencido que a Casa Rosada havia firmado um pacto com o Irã, a fim de encobrir os responsáveis pelo atentado que resultou na morte de 85 pessoas e feriu outras 300.



Em menos de doze horas, as autoridades argentinas cravaram que a morte do procurador era o resultado de um suicídio. A própria Cristina Kirchner fez essa insinuação. E desde então, no lugar de uma investigação, deu-se início à construção de uma narrativa. Nesta semana, finalmente, os jornais argentinos começaram a publicar partes da nova perícia oficial que será entregue às autoridades.

Leia também: 
Geddel alega risco de ‘estupro’ e pede para voltar para casa
Palocci pode provar o que disse, garante advogado
Pedido de habeas corpus para Joesley e Wesley é negado
Palocci diz que Lula desviava dinheiro do instituto
'Eles passarão, eu passarinho', escreve Gilmar em resposta a Janot
Lula insulta a inteligência do povo, diz Ciro Gomes
Veja as evidências do ‘pacto de sangue’ entre Lula e Emílio Odebrecht
Palocci relata propina para Gleisi Hoffmann
Falta de comprovante de aluguel de imóvel dificulta defesa de Lula
Palocci confirma acerto para libertar Marcelo Odebrecht no STJ
Helicóptero sobrevoa local de discurso de Lula com letreiro pedindo a sua prisão; veja vídeo
MPF dá nó em Lula com e-mails da Odebrecht para Okamotto, presidente do Instituto Lula; veja vídeo
Gilmar diz que pedido de suspeição é 'despropositado e difamatório' e cita encontro de Janot em bar

Segundo os peritos federais argentinos, Alberto Nisman foi assassinado. A análise do local do crime, disposição do corpo e todas os rastros que foram deixados pelo criminoso (ou criminosos) não deixavam dúvidas de que o procurador foi executado à sangue frio.  “A quantidade de evidências que comprovam que Alberto Nisman foi executado é tão grande e evidente, que todas as perícias anteriores que comprovam o contrário só podem ter sido feitas sob encomenda para justificar uma história oficial”, disse a VEJA um ex-funcionário dos serviços de inteligência argentinos.

A análise da localização das manchas de sangue revelaram que, quando recebeu o tiro, Nisman estava ajoelhado e subjugado, tendo uma de suas mãos torcidas para trás. Além disso, ficou evidenciado que o corpo do assassino impediu que essas gotas de sangue seguissem a rota prevista, funcionando como um anteparo frente alguns objetos do banheiro do procurador.

Para completar, não foi encontrada pólvora na mão de Nisman, embora a arma utilizada em sua execução deixe esse tipo de vestígio, o que confirma que o disparo não foi realizado pelo procurador. Segundo o jornal Clarín, os peritos confirmaram que a cena do crime foi montada para justificar a tese do suicídio.

Ainda em 2015, perícias independentes contratadas pela família de Nisman já indicavam que ele havia sido assassinado. Mas, como não eram oficiais, não tinham o mesmo valor da que está prestes a ser entregue à Justiça.

Finalmente, a verdade sobre o caso Nisman está prestes a ser revelada. Restará descobrir o principal: quem o matou e quem mandou matar.


Veja também: 





Leonardo Coutinho
Veja

Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...