quarta-feira, 20 de setembro de 2017

PF deflagra Inimigo Oculto contra desvios na Caixa


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
A Polícia Federal desencadeou nesta quarta-feira, 20, a Operação Inimigo Oculto, com o objetivo de desarticular um grupo de criminosos que causou quase R$ 1 milhão de prejuízos aos cofres da Caixa Econômica Federal.


Quer saber como receber gratuitamente vídeos exclusivos de Jair Bolsonaro, Magno Malta, Janaína Paschoal, Álvaro Dias, além da cobertura completa da política no país? Clique aqui!



Em nota, a PF informou que estão sendo cumpridos 3 mandados de prisão temporária e 30 de condução coercitiva, além de buscas em 3 endereços residenciais. A Justiça Federal também determinou o bloqueio da quantia aproximada de R$  950 mil nas contas dos investigados.

Leia também: 
'General falar em aplicação da lei a imprensa ataca, presidente da CUT dentro do palácio fala em pegar em armas, SILÊNCIO!', diz Carlos Bolsonaro
'Só estão assustados com as declarações do General aqueles que defendem o caos. A resposta foi o que está previsto na Constituição Federal', diz deputado Alberto Fraga sobre General Mourão
Alexandre Frota defende fim das verbas públicas para artistas e retruca Tico Santa Cruz após ser bloqueado pelo cantor: 'Está correndo de quê? Qual é o medo?'
'O que não pode é ficar como está, porque está uma baderna, virou a casa da mãe Joana', diz política filha de Coronel sobre General Mourão
Câmara rejeita 'distritão' e 'distrital misto', pilares da reforma política
O Exército já tem 'planejamentos muito bem feitos' para o caso de necessidade de intervenção, afirmou o General Mourão

As ordens judiciais estão sendo cumpridas principalmente em Brasília e Entorno, mas também ocorrem ações no Pará e na Bahia.

As três investigadas que são alvos dos mandados de prisão são ex-prestadoras de serviço da Caixa e teriam desviado os valores graças à concessão fraudulenta de 46 empréstimos pessoais, em sua maioria destinados a familiares e amigos.

Para viabilizar estes empréstimos, os investigados utilizavam senhas pertencentes a empregados da CEF, e assim realizavam a inserção indevida de dados no sistema, incluindo-se rendas fictícias, sem a apresentação de qualquer documento comprobatório.

Quando os empréstimos eram creditados nas contas indicadas, os investigados efetuavam diversos saques e transferências, evitando que a Caixa, após identificar a fraude, bloqueasse os valores.

Os investigados serão indiciados por estelionato qualificado, falsificação de documento público, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

A Polícia Federal, a partir de agora, vai apurar se houve a participação de empregados da CEF nos crimes.


Veja também:




Fabio Fabrini
O Estado de S. Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...