segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Aliado de Temer, relator de CPI quer indiciamento de ex-cúpula da PGR


Imagem: Pedro Ladeira / Folhapress
Dois dias antes de assumir o cargo de ministro da Secretaria de Governo, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) apresentará nesta terça-feira (12) à CPI da JBS seu parecer em que pretende pedir o indiciamento da antiga cúpula da PGR (Procuradoria-Geral da República).




Marun disse que deverá pedir o indiciamento do ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e de Eduardo Pelella, chefe de gabinete braço direito de Janot, e o ex-procurador Marcello Miller.

Leia também: 
Políticos envolvidos em casos de corrupção temem perder eleição e foro privilegiado
Nova operação da Lava Jato mira fraudes na Receita Federal

Para o deputado, ficou evidente que houve "orientação de membros da antiga cúpula da Procuradoria-Geral da República para que pessoas com foro privilegiado fossem investigados sem autorização do STF [Supremo Tribunal Federal]".

Marun destacou os casos do presidente Michel Temer e do senador Aécio Neves (PSDB-MG), gravados por executivos da JBS.

"Isso, por si só, produz as condições para o indiciamento", avaliou o relator.

No entendimento de Marun, Janot trabalhou pela saída de Temer para que o procurador-geral da República pudesse atuar em benefício próprio.

"Há evidências de que o objetivo maior de tudo isso era a deposição do presidente da República para que o procurador-geral da República controlasse sua sucessão ou fosse seu próprio sucessor", avaliou Marun.

Pelella é mencionado em diálogos de delatores da JBS como um interlocutor da PGR. Ele teve reunião com um deles, o advogado Francisco Assis e Silva, dias antes do encontro, em 7 de março, entre Joesley Batista, da JBS, e o presidente Michel Temer no Jaburu. Janot e seu ex-assessor negam qualquer irregularidade.

FIM DE BENEFÍCIOS

Carlos Marun afirmou que ainda avalia que tipo de procedimento poderá adotar em relação aos executivos da JBS, mas já decidiu recomendar o cancelamento dos benefícios obtidos por causa da delação premiada dos irmãos Joesley e Wesley Batista e de Ricardo Saud.

"Quanto à recomendação do fim dos benefícios é porque, antes de mais nada, é evidente a participação do procurador Marcello Miller neste processo. Um procurador da República orientando ativamente os delatores na promulgação do acordo", disse Marun.

Em depoimento à CPI da JBS em novembro, Miller afirmou que "fez uma lambança" ao ter participado das negociações de acordo de delação premiada e leniência da empresa e seus executivos.

O ex-procurador se defendeu de acusações e disse que não cometeu crime, mas admitiu ter ajudado os irmãos Joesley e Wesley Batista antes de ter deixado oficialmente o Ministério Público.

Miller, no entanto, negou ter orientado Joesley a gravar o presidente Michel Temer.

A CPI tem como objetivo investigar "irregularidades envolvendo as empresas JBS e J&F em operações realizadas com BNDES e BNDES-PAR ocorridas entre os anos 2007 a 2016" e os "procedimentos do acordo de colaboração premiada celebrado entre o MPF e os acionistas da empresas JBS e J&F".

A entrega do relatório é a última missão de Marun como deputado antes de assumir a Secretaria de Governo, na quinta-feira (14), no lugar do tucano Antonio Imbassahy, que pediu exoneração na sexta-feira passada (8).

Marun integrava a tropa de choque do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), hoje preso.

Ele também é um dos principais defensores de Temer.

Quando a Câmara arquivou a segunda denúncia da PGR contra Temer, Marun comemorou com uma dancinha em plenário.

Veja também: 







Daniel Carvalho
Folha de S. Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...