sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Alckmin veta lei que proibia carne às segundas-feiras


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), vetou nesta sexta-feira o projeto de lei aprovado no fim do ano para criar a "segunda sem carne". O projeto proibia o fornecimento de carne em cantinas e refeitórios de escolas e outros prédios públicos do estado. A medida havia sido aprovada pela Assembleia Legislativa no fim de 2017 e enfrentou forte oposição da população.


No início do mês de janeiro, Alckmin já havia deixado claro sua intenção de vetar o projeto, ao declarar, durante entrevista, que uma iniciativa deste tipo é responsabilidade do Executivo — e não da Assembleia. Em entrevista ao "Canal Rural", ele criticou a iniciativa, ao dizer que cerceava o direito das pessoas e sua capacidade de tomar decisões sobre sua própria alimentação.

Leia também: 
PT ‘ignora’ julgamento e finaliza carta à classe média

De acordo com o governo, desde 2015, três unidades do Bom Prato, programa que vende almoço por R$1 já não servem carne por um dia da semana. A Secretaria da Administração Penitência manifestou interesse de iniciar proposta semelhante em caráter experimental, intitulada de “Um Dia Sem Carne”, sem dia específico para tal.

O veto do governador menciona ainda a manifestação da Secretaria da Agricultura, que declarou se dedicar a pesquisas científicas com objetivo de aperfeiçoar constantemente os sistemas produtivos de maneira mais sustentável.

O projeto de lei foi de autoria do deputado estadual Feliciano Filho (PSC). Defensor da causa animal e vegetariano, o parlamentar argumentou que a pecuária é responsável pela emissão de cerca de 17% dos gases de efeito estufa no planeta e consome cerca de 70% da água potável.

Na justificativa do projeto, ele dsise que a “segunda sem carne” tem o objetivo de chamar a atenção sobre as consequências do consumo de carne. Ele relaciona o consumo de carne “aos direitos dos animais, à crise ambiental, ao aquecimento global, à perda de biodiversidade, às mudanças climáticas e às diversas doenças que afligem a população humana, incluindo doenças cardiovasculares, doenças crônicas degenerativas, colesterol elevado, diversos tipos de câncer e diabetes”.

Assim que o texto foi aprovado, a Sociedade Rural Brasileira (SRB) enviou um ofiício ao governador pedindo o veto ao projeto. Segundo o grupo, o projeto de lei "fere diretamente os direitos e princípios estabelecidos na Constituição Federal, tais como a liberdade de consumo, interfere na liberdade de escolha individual do cidadão e viola a ordem econômica do mercado".

Veja também:





O Globo 
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...