sábado, 5 de maio de 2018

Cédula para eleições na Venezuela terá 10 faces de Maduro


Imagem: Cristian Hernandez / EFE
O venezuelano que quiser achar outros candidatos além do ditador Nicolás Maduro na cédula da eleição presidencial do dia 20 terá de procurar bem. O rosto do chavista aparece 10 vezes na cédula apresentada nesta sexta-feira, 4, ao público pelo Conselho Nacional Eleitoral. 


Dos 17 rostos que aparecem na cédula, chamada de “tarjetón” em razão de seu tamanho, 10 são do ditador chavista – seis em área nobre, no topo da cédula e à esquerda. Os partidos oficiais, ligados ao chavismo, estão em toda a parte superior. Seu principal opositor, Henri Falcón, aparece quatro vezes – ele tem apoio de três partidos que formam a Avançada Progressista.

Leia também:
Homem quebra aparelho de som do acampamento pró-Lula

Suas fotos estão no quadrante inferior e à direita, região desfavorável para leitura. Também em posição ruim estão Luis Alejandro Ratti, o ex-pastor evangélico Javier Bertucci, e Reinaldo Quijada, candidato pela Unidade Política Popular 89. 

A privilegiada disposição das fotos de Maduro na cédula são uma idiossincrasia do sistema eleitoral venezuelano. O rosto e o nome do candidato aparecem de acordo com a quantidade de partidos que o apoiam. Entre as bancadas favoráveis a Maduro se encontra o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), o movimento fundado por Hugo Chávez e presidido por Maduro.

Maduro também é apoiado pelo Somos Venezuela, encabeçado por Delcy Rodríguez, presidente da Assembleia Constituinte. Eleita em 2017, este grupo tomou para si os poderes de Parlamento ao substituir o Congresso opositor. Maduro também é candidato da organização Pátria Para Todos e pelo Partido Comunista da Venezuela. 

A Mesa da Unidade Democrática (MUD), que reúne os principais partidos de oposição da Venezuela, decidiu não apresentar candidato para as eleições por considerar que a votação não é justa e transparente. A decisão da MUD é compartilhada pela Assembleia Nacional, eleita em 2016 e de maioria opositora, e também por outros países da América Latina.

O Parlamento Europeu aprovou por unanimidade uma resolução conjunta em que rechaçou “de maneira enérgica” a decisão de realizar as eleições presidenciais. Os eurodeputados pediram a “suspensão imediata” do pleito até que “se reúnam as condições necessárias para eleições críveis, transparentes e inclusivas”. 

A presidente do CNE, Tibisay Lucena, qualificou o acordo como “ingerência grosseira”. “O poder eleitoral é alheio a toda e qualquer decisão que outros Parlamentos possam tomar”, afirmou Lucena.

Veja também:





O Estado de S. Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...