domingo, 17 de junho de 2018

Empregados fogem do país e ladrões saqueiam estatal de petróleo da Venezuela


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Milhares de trabalhadores vêm fugindo da PDVSA, a estatal de petróleo venezuelana, abandonando empregos antes cobiçados que hoje não têm valor. No vácuo, criminosos roubam equipamentos, veículos, bombas, fios de cobre, levando tudo para conseguir dinheiro. A sangria paralisa ainda mais a companhia e agrava a crise do chavismo.

O momento não poderia ser pior para o ditador Nicolás Maduro, "reeleito" em maio em uma eleição contestada. Embora ele ainda mantenha um controle firme sobre o país, a Venezuela está numa situação desesperadora, às voltas com hiperinflação, fome generalizada, luta política, escassez de remédios e êxodo de um milhão de pessoas.

Leia também: 

Para encontrar uma saída, a chave é o petróleo, única fonte de moeda forte. Mas, cada vez mais, a Venezuela produz menos. A direção da estatal vem esvaziando, a mão de obra está pela metade e materiais essenciais desapareceram. Tudo isso se soma a escândalos de corrupção e dívidas exorbitantes. 

Carlos Navas, de 37 anos, fazia parte de uma equipe de perfuração em El Tigre. Tinha casa com ar condicionado e um carro. Jamais imaginou que um dia não teria dinheiro para comprar comida. Ele deixou o emprego no ano passado porque não conseguia viver com seu salário. “Antes, você trabalhava e era rico. Hoje, o salário não dá nem para comprar comida”, disse.

A inflação na Venezuela deve chegar a 13.800% este ano, segundo o FMI. Quando o New York Times entrevistou Navas, em maio, o salário mensal de um trabalhador mal dava para comprar um frango inteiro ou 900 gramas de carne. Com os preços subindo rapidamente, hoje dá para muito menos.

A produção da estatal está no seu menor patamar em 30 anos. A PDVSA e o governo deixaram de pagar títulos de dívida e não amortizam os juros desde o fim do ano passado. A China recusou-se e realizar mais empréstimos em troca de pagamentos futuros em petróleo. 

Nas últimas semanas, os tribunais decidiram que a ConocoPhillips, empresa de petróleo americana, poderá confiscar carregamentos venezuelanos em refinarias e terminais do Caribe. A medida foi decorrente da decisão da Venezuela de nacionalizar todos os ativos estrangeiros no setor do petróleo.

No plano interno, o país enfrenta tantos problemas nas refinarias que precisa importar gasolina, gastando dólares que não tem. Maduro ordenou a prisão de dezenas de executivos da estatal, incluindo o ex-presidente da PDVSA, alegando um combate contra a corrupção.

As medidas têm as marcas de uma batalha pelo controle do acesso às receitas do petróleo. Em novembro, ele colocou o general da Guarda Nacional, Manuel Quevedo, sem nenhuma experiência no setor, para comandar a empresa. No mês passado, Maduro afirmou que a produção deste ano precisa crescer em um milhão de barris diários, o que é praticamente impossível, sugerindo que poderá conseguir investimentos de Rússia e China. Na região de El Tigre, muitas operações são realizadas pela estatal em joint ventures com empresas estrangeiras.

Executivos da PDVSA apontam para a dificuldade de trabalhar na Venezuela. “As pessoas estão passando fome”, disse Eldar Saetre, diretor da Equinor, companhia norueguesa parceira da estatal. Entrevistas com trabalhadores revelam indignação. Muitos disseram que a estatal vem decaindo há anos, mas que a deterioração acelerou. “A PDVSA era uma taça de ouro. Hoje é um copo de plástico”, disse um deles.

Os trabalhadores afirmam que o seguro saúde vitalício hoje não vale nada, porque a companhia deixou de pagar as clínicas particulares. Às vezes não há almoço porque os provedores não são pagos. E agora há o roubo de equipamentos. Em várias estações de bombeamento e tanques de armazenamento os ladrões destruíram instalações elétricas para retirar cabos de cobre. Em um local, nove transformadores foram retirados de postes, inutilizando sistemas vitais.

Cercas derrubadas e portões abertos deixam as instalações sem proteção. Segundo um empregado, uma unidade da Guarda Nacional, encarregada de patrulhar a área, deixou de operar durante meses porque seu carro quebrou e não havia peças para consertá-lo.

Os trabalhadores não sabem quem está por trás dos roubos. Poderiam ser gangues criminosas, mas para desmantelar sistemas elétricos é preciso ter o conhecimento que operários e ex-funcionários possuem. Segundo Ali Moshiri, ex-executivo da Chevron, roubos em campos de petróleo na Venezuela ocorrem há 20 anos. “Eles roubam as peças, fundem e vendem”, disse. “As pessoas estão desesperadas. Elas vendem o cobre roubado para alimentar a família.” 

Em El Tigre, a produção caiu e novas perfurações estão paralisadas por falta de equipamento. Segundo um supervisor, seus funcionários estão fugindo para EUA, Peru, Equador, Brasil, Colômbia e Espanha. Muitos abandonam o emprego sem avisar. Na maior parte das vezes, não são substituídos. E, quando são, os novos empregados têm pouca ou nenhuma experiência.

Junior Martínez, de 28 anos, que trabalhou no setor do petróleo durante oito anos, está reunindo seus documentos, incluindo o diploma de engenheiro químico. Sua mulher e sua filha partiram há três meses para o Brasil. “Ganho 1,4 milhão de bolívares por semana e não é suficiente para comprar uma caixa de ovos ou um tubo de pasta de dente”, afirmou. 

Seu pai, Ovidio Martínez, de 55 anos, lembra quando o boom do petróleo começou. Ele chorou ao falar da determinação do filho de deixar o país. “Você vê seus filhos partirem e não pode impedir. Neste país, eles não têm futuro”, afirmou.

Veja também:





William Newman e Clifford Krauss 
The New York Times via O Estado de S. Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...