segunda-feira, 11 de junho de 2018

Macri prepara corte de até 25% dos cargos de 86 órgãos públicos na Argentina


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
Mal colocou os pés na Argentina, após participar da reunião do G7, a convite do primeiro-ministro Justin Trudeau, no Canadá, o presidente Mauricio Macri prepara o anúncio de corte de até 25% dos cargos de 86 órgãos públicos, que deve acontecer nos próximos dias.

A medida seria a primeira para cumprir com os requisitos impostos pelo FMI para que o país possa receber o apoio de “stand up” de US$ 50 bilhões, anunciado na semana passada.

Leia também: 

Macri, que viajou ao Canadá porque será o anfitrião do G20 em Buenos Aires, no final do ano, aproveitou para reunir-se com Christine Lagarde e outros líderes, a quem explicou o acordo com o FMI e as medidas que serão tomadas.

Em fevereiro, o presidente argentino já havia anunciado o corte de 25% dos empregados da estrutura da administração do Executivo e de todos os parentes diretos de ministros e cargos de confiança.

Agora, a faca deve passar pelo PAMI (o SUS local), a Anses (agência de previdência do Estado) e a AFIP (que corresponde à Receita Federal). Ainda não se conhece a totalidade das instituições que entrariam no corte, mas o jornal “La Nación” afirma que podem estar incluídos o Conicet (entidade de pesquisa acadêmica), a Enargas e a ENRE (entes reguladores da distribuição de gás e energia), o Instituto Nacional de Teatro e a Biblioteca Nacional, entre outros.

Ao retornar a Buenos Aires, Macri disse que o encontro com os líderes internacionais foi positivo e que há apoio ao pedido de ajuda ao FMI. “Acudimos ao Fundo para poder ter previsibilidade, este será um caminho longo, e hoje temos um Estado que gasta mais do que recebe”, disse, nesta segunda-feira (11), pela manhã.

Os cortes fazem parte da necessidade de diminuir o déficit fiscal segundo o acordado com o FMI. Hoje, ele é de 2,7% do PIB, e a meta imposta pela instituição é que chegue 1,3% do PIB até o fim do ano.

Esta será uma semana definitiva para os rumos da economia argentina. Enquanto finaliza o programa de cortes a ser anunciado, o ministro do Trabalho, Jorge Triaca, e outros negociadores do governo tentam conter os sindicatos, principalmente o dos caminhoneiros, que decidem amanhã se haverá ou não uma greve geral, “nos moldes da que houve no Brasil”, nas palavras do líder sindical Hugo Moyano, a partir de quinta-feira.

Os sindicalistas pedem que as negociações paritárias, que decidem o teto de quanto cada categoria pode ter de aumento por ano sejam reabertas. Afinal, neste ano, este foi estabelecido em 15%, que era a meta da inflação para este ano. Tanto economistas como o governo já consideram este número fictício. O governo ofereceu outros 5%, chegando a 20%. Ainda assim, os salários ficariam abaixo da inflação, que fechou 2017 com 27,3%. Na terça-feira (12), os sindicatos devem se reunir para decidir se param ou não.

Se a greve geral for confirmada, quem tem viagem programada para a Argentina nos próximos dias deve procurar sua empresa aérea e confirmar que os voos estão confirmados, pois pode haver alterações.

Veja também:





Sylvia Colombo
Folha de S. Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...