segunda-feira, 30 de julho de 2018

Cotado para vice de Marina Silva, Marcos Palmeira diz que 'não é o momento'


Imagem: Reprodução / Redes Sociais
O ator Marcos Palmeira diz que até parou e refletiu: "Será que é hora? De repente...". Mas concluiu que "não é o momento" para ser vice da presidenciável Marina Silva (Rede), possibilidade que passou a ser considerada pela equipe de campanha da ex-senadora nos últimos dias.


"Me deixou super-honrado ver que eles conseguem me enxergar nessa posição, mas não é o momento. Estou apoiando Marina, mas não tenho pretensão de ocupar cargo", afirma ele à Folha de S. Paulo.

A pré-candidata está em busca de um companheiro de chapa, fora ou dentro de seu partido. Ela conversa com outras legendas para tentar formar uma coligação, mas, diante da indefinição, vem falando em empregar solução caseira. Palmeira é filiado à Rede e apoiou Marina nas eleições de 2010 e de 2014.

Leia também: 

Como a Folha de S. Paulo publicou na sexta-feira (27), o ator é um dos cotados para a função por agradar à base do partido, segundo Pedro Ivo Batista, um dos porta-vozes nacionais da sigla e principal articulador político da presidenciável.

"Hoje não me vejo numa situação dessa", segue Palmeira. "Acho que tem pessoas muito mais capacitadas." Ligado à causa ambiental e também produtor de alimentos orgânicos, ele diz que pode contribuir mais com a candidatura estando de fora.

O ator vê Eduardo Bandeira de Mello como "um cara interessante" para o posto —presidente do Flamengo e filiado à Rede, ele é apontado hoje internamente como outro candidato forte a vice.

Caso se concretize a aliança do partido com o PV, possibilidade que ganhou força no fim de semana, "Eduardo Jorge seria incrível e teria muito a colaborar", avalia Palmeira.

Jorge, que enfrentou Marina no pleito de 2014, defende no PV a aliança com a presidenciável. A Rede ofereceu à legenda a vaga de vice, mas ainda não houve resposta ao convite.

A dificuldade de Marina para fechar coligações, na opinião de Palmeira, é fruto da proposta diferente que sua legenda encampa. 

"Falam que, se ela não compuser, ela não vai governar. Mas o PT compôs com todo mundo e não conseguiu governar. Michel Temer foi a mesma coisa", afirma.

"Se for para se coligar com todo mundo, ela vai ganhar perdendo. Se ela fizer uma aliança com a sociedade, aí sim ela vai ganhar ganhando", continua o ator, ecoando o discurso da presidenciável.

Sem contrato fixo com a TV Globo no momento, Palmeira está liberado para aparecer em propagandas da candidata. Ele diz que quer participar de anúncios, ir a eventos e subir no palanque de Marina.

Para ele, a ex-senadora "é a candidata que sofre o maior preconceito entre os candidatos. É a mais falada e a menos ouvida".

A vitória dela, diz o ator, representaria uma quebra da polarização e um avanço para a luta contra a corrupção. "Ela está só pedindo quatro anos de abstinência dos outros partidos."

Veja também:





Joelmir Tavares
Folha de S. Paulo
Editado por Política na Rede
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...